Vidas transnacionais entre PALOP e Portugal

Vidas transnacionais entre PALOP e Portugal

O trabalho pioneiro de Koser (2003), considera que o transnacionalismo influência o comportamento económico dos migrantes, não só no pais de residência mas também no país de origem. Actualmente, um número crescente de indivíduos migra para a Europa, mantendo importantes laços com o seu país de origem e com migrantes que vivem em diferentes locais. Nos estudos sobre migração e desenvolvimento, a família é geralmente considerada como uma unidade de análise homogénea, na qual os membros vivem no mesmo espaço geográfico sem considerar os que vivem em outros países, como reconhecem os teóricos do transnacionalismo. Pessoas, bens, dinheiro e ideias movimentam-se entre fronteiras nacionais, desencadeando mudanças nas relações entre indivíduos e instituições e criando diferentes formas de integração social e económica. Além disso, as leis migratórias que restringem a entrada nos países europeus e a abertura de sectores particulares da economia às mulheres migrantes fazem com que as famílias se "separem", migrando pelo menos um membro e ficando os outros para trás. Investigar as vidas transnacionais dos indivíduos em movimento apresenta novos desafios para a pesquisa (Bryceson and Vuorela 2002). Este projecto pretende analisar o comportamento de tais indivíduos em movimento, bem como as suas repercussões nos laços familiares e na sua participação no desenvolvimento dos países envolvidos, de acordo com uma perspectiva de género. O comportamento humano é diferente em termos de género de acordo com a cultura organizacional e politica das sociedades. Como evidenciam os estudos de desenvolvimento, a pesquisa dos efeitos da migração no desenvolvimento dos países emissores de migração, tem se centrado nos efeitos económicos das remessas nos agregados familiares (Carling, 2005 Guarnizo, 2006). Este projecto pretende alargar a análise, incluindo os efeitos que a migração produz nos indivíduos e suas famílias de acordo com o pressuposto que os efeitos individuais da migração estabelecem as repercussões a longo prazo no desenvolvimento dos países envolvidos. A escolha geográfica dos países de origem assenta nas trajectórias académicas do investigador principal e dos membros da equipa. Projectos anteriores sobre género e migrações de origem africana (Grassi 2003, 2006, 2007b, Grassi e Évora 2007, Nascimento 2007b) apontam para a existência de diferenças de género no acesso à migração nestas sociedades de origem, assim como, na inserção no mercado de trabalho em Portugal. O I.P. e outros membros da equipa, exploraram, em anteriores projectos, abordagens teóricas relacionadas com as migrações, contextos multiculturais e relações de género em contextos lusófonos nas suas especificidades históricas e em termos de identidade, cultura, filiação politica e desenvolvimento (Grassi e Évora 2007; Nascimento 2007b; Gomes 2008; Frias 2006), o que irá potenciar uma abordagem pluridisciplinar sobre vidas transnacionais, tendo em conta a importância do contacto histórico entre Portugal e as ex-colónias. Uma vez que as migrações económicas dos PALOP para Portugal estão relacionadas com os laços históricos, identitários e simbólicos desde os século XVI, a presença na equipa de dois historiadores especializados nestes contextos torna-se essencial para a pesquisa (Nascimento 2007b; Gomes 2008). A metodologia qualitativa adoptada, com recurso a entrevistas com os actores no seu país de origem e em Portugal e o esboço das suas historias de vida, irá produzir informação com substantiva relevância para a identificação das dimensões principais das dinâmicas de género e familiares, nomeadamente nas condições do acesso à migração nos países de origem e no acesso ao emprego em Portugal dos indivíduos que se movimentam. Os indicadores que resultarão desta análise poderão ser posteriormente utilizados como pontos de referência para a definição de dimensões nucleares em estudos quantitativos sobre as diferenças de género. Este projecto tem o objectivo específico de providenciar as bases empíricas para um seminário internacional organizado com o financiamento da European Science Foundation ("ESF Exploratory Workshop"), proporcionando as condições para a criação de uma rede sobre "Vidas Transnacionais", com a participação de especialistas sobre o tema. A natureza multidisciplinar da equipa do projecto, bem como a integração de jovens investigadores, potencia a investigação com uma faceta adicional de ensino/aprendizagem, de forma a garantir as melhores circunstâncias para o estudo deste tema complexo e multidimensional.

Estatuto: 
Entidade proponente
Financiado: 
Não
Keywords: 

Vidas Transnacionais; Mobilidade; Género; PALOP

O trabalho pioneiro de Koser (2003), considera que o transnacionalismo influência o comportamento económico dos migrantes, não só no pais de residência mas também no país de origem. Actualmente, um número crescente de indivíduos migra para a Europa, mantendo importantes laços com o seu país de origem e com migrantes que vivem em diferentes locais. Nos estudos sobre migração e desenvolvimento, a família é geralmente considerada como uma unidade de análise homogénea, na qual os membros vivem no mesmo espaço geográfico sem considerar os que vivem em outros países, como reconhecem os teóricos do transnacionalismo. Pessoas, bens, dinheiro e ideias movimentam-se entre fronteiras nacionais, desencadeando mudanças nas relações entre indivíduos e instituições e criando diferentes formas de integração social e económica. Além disso, as leis migratórias que restringem a entrada nos países europeus e a abertura de sectores particulares da economia às mulheres migrantes fazem com que as famílias se "separem", migrando pelo menos um membro e ficando os outros para trás. Investigar as vidas transnacionais dos indivíduos em movimento apresenta novos desafios para a pesquisa (Bryceson and Vuorela 2002). Este projecto pretende analisar o comportamento de tais indivíduos em movimento, bem como as suas repercussões nos laços familiares e na sua participação no desenvolvimento dos países envolvidos, de acordo com uma perspectiva de género. O comportamento humano é diferente em termos de género de acordo com a cultura organizacional e politica das sociedades. Como evidenciam os estudos de desenvolvimento, a pesquisa dos efeitos da migração no desenvolvimento dos países emissores de migração, tem se centrado nos efeitos económicos das remessas nos agregados familiares (Carling, 2005 Guarnizo, 2006). Este projecto pretende alargar a análise, incluindo os efeitos que a migração produz nos indivíduos e suas famílias de acordo com o pressuposto que os efeitos individuais da migração estabelecem as repercussões a longo prazo no desenvolvimento dos países envolvidos. A escolha geográfica dos países de origem assenta nas trajectórias académicas do investigador principal e dos membros da equipa. Projectos anteriores sobre género e migrações de origem africana (Grassi 2003, 2006, 2007b, Grassi e Évora 2007, Nascimento 2007b) apontam para a existência de diferenças de género no acesso à migração nestas sociedades de origem, assim como, na inserção no mercado de trabalho em Portugal. O I.P. e outros membros da equipa, exploraram, em anteriores projectos, abordagens teóricas relacionadas com as migrações, contextos multiculturais e relações de género em contextos lusófonos nas suas especificidades históricas e em termos de identidade, cultura, filiação politica e desenvolvimento (Grassi e Évora 2007; Nascimento 2007b; Gomes 2008; Frias 2006), o que irá potenciar uma abordagem pluridisciplinar sobre vidas transnacionais, tendo em conta a importância do contacto histórico entre Portugal e as ex-colónias. Uma vez que as migrações económicas dos PALOP para Portugal estão relacionadas com os laços históricos, identitários e simbólicos desde os século XVI, a presença na equipa de dois historiadores especializados nestes contextos torna-se essencial para a pesquisa (Nascimento 2007b; Gomes 2008). A metodologia qualitativa adoptada, com recurso a entrevistas com os actores no seu país de origem e em Portugal e o esboço das suas historias de vida, irá produzir informação com substantiva relevância para a identificação das dimensões principais das dinâmicas de género e familiares, nomeadamente nas condições do acesso à migração nos países de origem e no acesso ao emprego em Portugal dos indivíduos que se movimentam. Os indicadores que resultarão desta análise poderão ser posteriormente utilizados como pontos de referência para a definição de dimensões nucleares em estudos quantitativos sobre as diferenças de género. Este projecto tem o objectivo específico de providenciar as bases empíricas para um seminário internacional organizado com o financiamento da European Science Foundation ("ESF Exploratory Workshop"), proporcionando as condições para a criação de uma rede sobre "Vidas Transnacionais", com a participação de especialistas sobre o tema. A natureza multidisciplinar da equipa do projecto, bem como a integração de jovens investigadores, potencia a investigação com uma faceta adicional de ensino/aprendizagem, de forma a garantir as melhores circunstâncias para o estudo deste tema complexo e multidimensional.

Objectivos: 
<p>.</p>
Parceria: 
Não Integrado
Aline Carla Afonso Pereira
Augusto Manuel Saraiva do Nascimento
Patrícia Alexandra Godinho Gomes
Sónia Infante Girão Frias Piepoli
Susana Maria Malheiro Mendes
Tatiana Matos de Jesus Ferreira
Coordenador 
Data Inicio: 
01/12/2010
Data Fim: 
01/12/2013
Duração: 
36 meses
Concluído