O jardim secreto da política: candidatos à Assembleia da República 1975-2019

O jardim secreto da política: candidatos à Assembleia da República 1975-2019

Os partidos políticos são centrais nos processos de seleção de candidatos a cargos públicos. De acordo com Sartori (1976), esta característica funcional distingui-os dos restantes atores sociais. Em linha com os seus congéneres Europeus, em Portugal, os partidos detêm o monopólio de seleção de candidatos à Assembleia da República. Na prática, isto significa que, antes dos cidadãos expressarem os seus desejos eleitorais, os partidos detêm o poder ex-ante de escolher os candidatos. Os partidos moldam, assim, a representação descritiva, isto é, a presença no parlamento de uma constelação de deputados que represente fielmente a diversidade social, económica, étnica e sexual da sociedade. O processo de seleção de candidatos funciona como uma caixa negra, da qual apenas observamos o resultado final. Os partidos políticos tomam as decisões sobre os candidatos a candidatos numa arena que foi apelidada de “jardim secreto da política” (Gallagher & Marsh 1988). Este projeto dará um contributo decisivo para o estudo dos partidos políticos, da Assembleia da República, assim como dos efeitos do sistema eleitoral em Portugal. Nas últimas décadas (veja-se Freire 2009), têm havido esforços bem-sucedidos para estudar a composição da Assembleia da República. Todavia, o nosso conhecimento sobre os candidatos é muito limitado. Esta limitação impede-nos de abordar vários ângulos analíticos, cuja análise constituirá o principal contributo deste projeto para o conhecimento já existente sobre este tema. Em primeiro lugar, este estudo permitirá perceber quais as diferenças e semelhanças nos quadros políticos candidatos por partidos que ganham lugares na Assembleia da República e aqueles que, concorrendo, não logram obter apoio suficiente. Em segundo lugar, este trabalho permitir-nos-á perceber as diferenças regionais, por exemplo, entre os candidatos de círculos de alta magnitude e de média e baixa magnitude. Em terceiro lugar, este projeto ajudar-nos-á a perceber de que modo os partidos políticos evoluíram ao longo das últimas décadas e se as listas hoje estão mais inclusivas com a presença de minorias. Este projeto contribuirá para preencher esta lacuna através do estudo aprofundado dos candidatos de todos os partidos políticos à Assembleia da República desde as eleições fundadoras do regime até às mais recentes eleições legislativas.

 

Estatuto: 
Entidade proponente
Financiado: 
Sim
Entidades: 
Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS)
Keywords: 

candidatos, partidos políticos, parlamento, Portugal

Os partidos políticos são centrais nos processos de seleção de candidatos a cargos públicos. De acordo com Sartori (1976), esta característica funcional distingui-os dos restantes atores sociais. Em linha com os seus congéneres Europeus, em Portugal, os partidos detêm o monopólio de seleção de candidatos à Assembleia da República. Na prática, isto significa que, antes dos cidadãos expressarem os seus desejos eleitorais, os partidos detêm o poder ex-ante de escolher os candidatos. Os partidos moldam, assim, a representação descritiva, isto é, a presença no parlamento de uma constelação de deputados que represente fielmente a diversidade social, económica, étnica e sexual da sociedade. O processo de seleção de candidatos funciona como uma caixa negra, da qual apenas observamos o resultado final. Os partidos políticos tomam as decisões sobre os candidatos a candidatos numa arena que foi apelidada de “jardim secreto da política” (Gallagher & Marsh 1988). Este projeto dará um contributo decisivo para o estudo dos partidos políticos, da Assembleia da República, assim como dos efeitos do sistema eleitoral em Portugal. Nas últimas décadas (veja-se Freire 2009), têm havido esforços bem-sucedidos para estudar a composição da Assembleia da República. Todavia, o nosso conhecimento sobre os candidatos é muito limitado. Esta limitação impede-nos de abordar vários ângulos analíticos, cuja análise constituirá o principal contributo deste projeto para o conhecimento já existente sobre este tema. Em primeiro lugar, este estudo permitirá perceber quais as diferenças e semelhanças nos quadros políticos candidatos por partidos que ganham lugares na Assembleia da República e aqueles que, concorrendo, não logram obter apoio suficiente. Em segundo lugar, este trabalho permitir-nos-á perceber as diferenças regionais, por exemplo, entre os candidatos de círculos de alta magnitude e de média e baixa magnitude. Em terceiro lugar, este projeto ajudar-nos-á a perceber de que modo os partidos políticos evoluíram ao longo das últimas décadas e se as listas hoje estão mais inclusivas com a presença de minorias. Este projeto contribuirá para preencher esta lacuna através do estudo aprofundado dos candidatos de todos os partidos políticos à Assembleia da República desde as eleições fundadoras do regime até às mais recentes eleições legislativas.

 

Parceria: 
Não Integrado
Coordenador 
Data Inicio: 
30/11/2018
Data Fim: 
29/11/2020
Duração: 
24 meses
Concluído