Dinâmicas Actuais da Mediatização das Questões Ambientais

Dinâmicas Actuais da Mediatização das Questões Ambientais

Este projecto pretende analisar os processos de transformação ao longo do tempo das representações do ambiente transmitidas pelos meios de comunicação de massa nacionais. Face ao desenvolvimento de novos riscos, como é o caso das alterações climáticas, e à persistência de velhos problemas, como o do saneamento básico, pretende-se alcançar um acompanhamento permante das recentes dinâmicas de produção da informação mediática, dada a centralidade do seu impacto na percepção pública dos problemas ambientais, bem como no agendamento destas questões na formação da opinião pública. Os antecedentes de análise desta temática no âmbito do Observa são úteis à  comparabilidade dos dados, permitindo a construção de uma perspectiva longitudinal sobre a mediatização do ambiente em Portugal.

Estatuto: 
Entidade proponente
Financiado: 
Não
Keywords: 

Media, Ambiente, Agendamento, Riscos ambientais

Este projecto pretende analisar os processos de transformação ao longo do tempo das representações do ambiente transmitidas pelos meios de comunicação de massa nacionais. Face ao desenvolvimento de novos riscos, como é o caso das alterações climáticas, e à persistência de velhos problemas, como o do saneamento básico, pretende-se alcançar um acompanhamento permante das recentes dinâmicas de produção da informação mediática, dada a centralidade do seu impacto na percepção pública dos problemas ambientais, bem como no agendamento destas questões na formação da opinião pública. Os antecedentes de análise desta temática no âmbito do Observa são úteis à  comparabilidade dos dados, permitindo a construção de uma perspectiva longitudinal sobre a mediatização do ambiente em Portugal.

Objectivos: 
Pretende-se, em primeiro lugar, dar conta das actuais dinâmicas de mediatização do ambiente, face ao contexto histórico específico que se desenvolveu a partir do início do século. Neste sentido, importa analisar o modo como os problemas ambientais tradicionais e os novos riscos que entretanto têm surgido são objecto da produção de informação na imprensa generalista e nas televisões nacionais. Importa igualmente analisar a expressão destes temas na programação televisiva. <p>Em segundo lugar, pretende-se dar continuidade à análise da mediatização do ambiente realizada anteriormente no programa Observa, actualizando as bases de dados que terminaram em 1999 e 2000, e preenchendo assim uma lacuna na produção do conhecimento científico a este respeito.</p>Em terceiro lugar, pretende-se manter as grelhas de codificação das anteriores bases de dados do Observa, assegurando a comparabilidade e permitindo uma importante análise longitudinal da evolução desta temática.
State of the art: 
Na hist&oacute;ria da mediatiza&ccedil;&atilde;o dos problemas ambientais t&ecirc;m sido identificados diversos per&iacute;odos, oscilando-se entre &eacute;pocas de maior e menor intensidade informativa. Ap&oacute;s a emerg&ecirc;ncia destes problemas no espa&ccedil;o p&uacute;blico mediatizado no final dos anos 60, houve um decr&eacute;scimo na sua mediatiza&ccedil;&atilde;o at&eacute; meados dos anos 80, voltando a recrudescer at&eacute; 1992, quando outros problemas como a recess&atilde;o econ&oacute;mica ou a guerra do Golfo contribuiram para afastar o ambiente da agenda medi&aacute;tica (Schmidt, 2003). Estas oscila&ccedil;&otilde;es modificam a visibilidade social dos problemas ambientais, com consequ&ecirc;ncias a n&iacute;vel da consci&ecirc;ncia ambiental da ac&ccedil;&atilde;o quotidiana dos cidad&atilde;os. Mas est&atilde;o tamb&eacute;m associadas a processos de agendamento influenciados por governos, interesses econ&oacute;micos, grupos de press&atilde;o e outros, que visam, precisamente, condicionar a notoriedade destas quest&otilde;es bem como a aten&ccedil;&atilde;o p&uacute;blica, dirigindo-a para determinados temas em detrimento de outros e promovendo a noticiabilidade de outros acontecimentos (Molotch e Lester, 1974; Washer, 2006; Eldridge e Reilley, 2003). Tal como sucede relativamente a outros assuntos, a percep&ccedil;&atilde;o p&uacute;blica dos problemas ambientais n&atilde;o depende, assim, t&atilde;o s&oacute;, da sua gravidade e interesse p&uacute;blico, mas tamb&eacute;m do jogo de for&ccedil;as entre os diversos agentes que procuram condicionar a agenda dos media, tal como do contexto hist&oacute;rico espec&iacute;fico em que se articulam entre si os diversos sub-sistemas - produtivo, discursivo, dos agentes produtores e do sentido produzido - que constituem o processo de produ&ccedil;&atilde;o medi&aacute;tica (Oliveira, 1992).&nbsp; <p>Ora, importa ter em conta que nos &uacute;ltimos anos, por um lado, al&eacute;m da persist&ecirc;ncia de graves, cr&oacute;nicos e diversos problemas ambientais, t&ecirc;m emergido novas quest&otilde;es, algumas com um impacto medi&aacute;tico de crescimento exponencial, como &eacute; o caso da tematiza&ccedil;&atilde;o das altera&ccedil;&otilde;es clim&aacute;ticas, que parecem transfigurar a cobertura informativa que vinha sendo feita no final do s&eacute;culo XX; por outro lado, no sistema dos media t&ecirc;m-se verificado ou acentuado tend&ecirc;ncias, como a concentra&ccedil;&atilde;o da propriedade das empresas, que, num contexto de crise no investimento publicit&aacute;rio, pressionam no sentido de estrat&eacute;gias de concorr&ecirc;ncia agressiva com vista &agrave; capta&ccedil;&atilde;o de audi&ecirc;ncias, que por sua vez tendem a traduzir-se na espectaculariza&ccedil;&atilde;o e dramatiza&ccedil;&atilde;o da informa&ccedil;&atilde;o. Ora, no caso da mediatiza&ccedil;&atilde;o de riscos ambientais, a dramatiza&ccedil;&atilde;o da informa&ccedil;&atilde;o pode prejudicar a percep&ccedil;&atilde;o p&uacute;blica dos problemas (Gon&ccedil;alves, 2007; Horta, 2007).</p><p>Existe na produ&ccedil;&atilde;o cient&iacute;fica do Observa uma an&aacute;lise sistem&aacute;tica da mediatiza&ccedil;&atilde;o do ambiente na televis&atilde;o e imprensa at&eacute; ao final do s&eacute;culo XX (Schmidt, 2003), por&eacute;m, s&atilde;o espor&aacute;dicos e de &acirc;mbito limitado os estudos realizados acerca da realidade posterior. Neste contexto, importa realizar uma actualiza&ccedil;&atilde;o dessa an&aacute;lise que permita n&atilde;o s&oacute; dar conta da evolu&ccedil;&atilde;o recente da mediatiza&ccedil;&atilde;o do ambiente, como assegurar a comparabilidade com os dados anteriormente analisados.</p>
Parceria: 
Não Integrado
Coordenador 
Data Inicio: 
01/02/2008
Data Fim: 
01/01/2010
Duração: 
23 meses
Concluído