Itinerários

Itinerários
A Investigação nos 25 Anos do ICS
Categoria: 
ISBN: 
978-972-671-224-4
Idioma: 
Português
Ano da primeira edição: 
2008
Data de publicação: 
2008/Nov
Dimensão: 
24x17
Nº Páginas: 
873
Formato: 
Capa Dura
25,90 €23,31 €

Em 1982 era criado, na Universidade de Lisboa, o Instituto de Ciências Sociais, dando continuidade ao Gabinete de Investigações Sociais, formado vinte anos antes. Desde essa altura, o panorama das Ciências Sociais mudou consideravelmente em Portugal. Consolidou-se e amadureceu ao mesmo tempo que foi acolhendo novas indagações e diversificando saberes. O ICS de hoje espelha muitas dessas mudanças. Ao tornar-se a casa de um número cada vez maior de investigadores, o ICS tornou-se o ponto de convergência de muitos e diferentes itinerários, juntando um conjunto alargado de disciplinas, objectos e formas de apreender o mundo social. É no cruzamento de uns e outros que surge este livro, uma obra que retrata, antes de mais, a diversidade do ICS no presente. Reunido mais de 40 textos originais de investigadores do ICS, esta colectânea oferece um panorama privilegiado da investigação nas áreas da história, sociologia, antropologia, economia, ciência politica, e psicologia social. Apresentando grandes temáticas contemporâneas – desde Portugal, o império e a diáspora as migrações e identidades, da ciência e da cidadania a, religião, da família, do género e da escola aos estilos de vida –, abordam-se vários tempos históricos e varias sociedades, apresentando resultados inovadores em campos diversificados.

 

Prefácio p.27
Introdução - A investigação científica como vocação e como profissão 
Manuel Villaverde Cabral
p.29
A construção do Portugal moderno  
Capítulo 1 - Transformações do liberalismo em Portugal (c. 1880-c. 1900) 
Rui Ramos
p.51
Capítulo 2 - A «era de progresso» da viticultura nacional 
Conceição Andrade Martins
p.69
Capítulo 3 - O concurso público que Eça de Queirós não ganhou
Maria Filomena Mónica, Maria José Marinho e Maria Isabel Soares
p.89
Capítulo 4 - Cozinha, nacionalismo e cosmopolitismo em Portugal (séculos XIX-XX)
José Manuel Sobral
p.99
Capítulo 5 - Continuidade e ruptura: as primeiras leis sociais de Marcello Caetano 
Fátima Patriarca
p.125
Capítulo 6 - Portugal no século XXI. As causas do ressurgimento português 
Luís Salgado de Matos
p.141
Capítulo 7 - O futuro da história económica de Portugal 
Pedro Lains
p.155
Cidadania e instituições democráticas  
Capítulo 8 - Cidadania trans-escalar. O Estado, a cidade global e o cidadão 
Mónica Brito Vieira e Filipe Carreira da Silva
p.171
Capítulo 9 - Notas sobre o problema da proliferação das armas nucleares 
José Manuel Rolo
p.189
Capítulo 10 - Dimensões internacionais da democratização: debates, paradoxos e opções políticas 
Alexandra Barahona de Brito e Andrés Malamud 
p.203
Capítulo 11 - Exposição às sondagens, mobilização cognitiva e comportamento eleitoral: as eleições legislativas de 2002 em Portugal 
Pedro Magalhães
p.225
Capítulo 12 - Fidelidade do voto e mobilidade eleitoral em Portugal 
Marco Lisi
p.239
Capítulo 13 - Oposição a políticas anti-racistas na Europa: factores individuais e socioestruturais 
Alice Ramos, Jorge Vala e Cícero Pereira
p.257
Ambiente, risco e espaços  
Capítulo 14 - Ambiente e políticas ambientais: escalas e desajustes
Luísa Schmidt
p.285
Capítulo 15 - Agricultura a tempo parcial e multifuncionalidade da agricultura: novas perspectivas para o desenvolvimento rural sustentável? 
Aida Valadas de Lima
p.315
Capítulo 16 - Águas da capital – 150 anos de uma história pouco fluida 
Luísa Schmidt, Tiago Saraiva e João Pato 
p.331
Capítulo 17 - Tecnologia industrial e curandeiros: partilhando pseudodeterminismos
Paulo Granjo 
p.353
Capítulo 18 - Portugal, sociedade dualista em questão: dinâmicas territoriais e desigualdades sociais
Renato Miguel do Carmo
p.373
Ciência e o fazer ciência  
Capítulo 19 - O ethos da ciência e as suas transformações contemporâneas, com especial atenção sobre a biotecnologia 
José Luís Garcia e Hermínio Martins
p.397
Capítulo 20 - O paradoxo do mau argumento 
João de Pina Cabral
p.419
Capítulo 21 - Configurações da investigação científica em Portugal: três estudos de caso 
Tiago Saraiva, Ana Delicado e Cristiana Bastos 
p.429
Capítulo 22 - Antes do 11 de Setembro: discursos sobre muçulmanos na Europa e a viragem islamizante no pós-1989 
Nina Clara Tiesler
p.451
Escola, juventude e trabalho  
Capítulo 23 - «Escolas do diabo»: questionando a violência 
José Machado Pais
p.477
Capítulo 24 - A casa, a escola e a aprendizagem do trabalho: práticas de crianças e jovens escolarizados
Ana Nunes de Almeida e Maria Manuel Vieira
p.499
Capítulo 25 - Artistas, organizações e mercados de trabalho artísticos: do teatro para os outros mundos da arte 
Vera Borges
p.523
Capítulo 26 - Os quadros na banca portuguesa: processos de inovação, contextos de trabalho e enquadramento sindical 
Marinús Pires de Lima, Ana Guerreiro, Marina Kolarova e Marta Lino
p.539
Género, família e corporalidades  
Capítulo 27 - Género e modernidade. A construção pública do privado 
Sofia Aboim
p.561
Capítulo 28 - Mulheres e associativismo em França, Itália e Portugal (1888-1939) 
Anne Cova
p.583
Capítulo 29 - Mulheres imigrantes e novas trajectórias de migração: um croché transnacional de serviços e cuidados no feminino 
Karin Wall, Cátia Nunes e Ana Raquel Matias
p.603
Capítulo 30 - Mulheres transitivas: hegemonias de género em processos de mudança no feminino (Tupinambá de Olivença, Brasil)
Susana de Matos Viegas
p.623
Capítulo 31 - Doentes de Alzheimer e apoio familiar: um estudo na Suíça francófona
Sanda Samitca
p.641
Capítulo 32 - Das experiências da sexualidade: no interior do Brasil, no interior de Portugal
Vanda Aparecida da Silva
p.657
Capítulo 33 - Be some body: modificação corporal e plasticidade identitária na sociedade contemporânea 
Vítor Sérgio Ferreira
p.671
Império, diásporas e migrações  
Capítulo 34 - A História e os estudos pós-coloniais
Valentim Alexandre 
p.693
Capítulo 35 - Dissolver a diferença. Mestiçagem e conversão no império português
Ângela Barreto Xavier
p.709
Capítulo 36 - As associações de emigrantes portugueses na Bélgica e no Reino Unido: identidades colectivas, capital social e políticas públicas de integração
Daniel Melo
p.729
Capítulo 37 - Portugal na Europa e a questão migratória: associativismo e integração de jovens de origem africana em Portugal 
Marzia Grassi
p.749
Capítulo 38 - A construção social das diferenças nas relações entre grupos sociais 
Rui Costa-Lopes, Jorge Vala, Cícero Pereira e Patrícia Aguiar
p.769
Comunidades e práticas religiosas  
Capítulo 39 - O «Islão do século XX» e o «comunismo do século XXI»
José Barreto
p.793
Capítulo 40 - «Ou casada, ou caseira»: mediunidade e feminidade de classe média em São Vicente de Cabo Verde 
João Vasconcelos
p.817
Capítulo 41 - O Atlântico cristão. Apontamentos etnográficos sobre o encontro religioso em Lisboa
Ramon Sarró e Ruy Llera Blanes 
p.839
Capítulo 42 - Portugal entre singularidade e pluralidade religiosas: algumas considerações históricas e sociológicas 
Steffen Dix
p.855

 

Manuel Villaverde Cabralé atualmente investigador emérito do ICS-ULisboa e foi diretor do Instituto do Envelhecimento-ULisboa até 2015. Foi diretor da Biblioteca Nacional, presidente do ICS e vice-reitor da Universidade de Lisboa.

Karin Wall, sociológa. É actualmente investigadora coordenadora e directora do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. Lecciona a nível graduado e pós-graduado desde 1980, no ISCTE-IUL e no Instituto de Ciências Sociais.  As suas principais áreas de especialização são a sociologia da família e das relações de género, a análise comparativa de políticas sociais e a sociologia das migrações. A sua investigação e publicações centram-se nas mudanças na família e relações de género em Portugal e na Europa, na conciliação trabalho-família, na paternidade e no papel dos homens na família, nas solidariedades e redes sociais ao longo da vida, nas migrações e vivências transnacionais, nos desenvolvimentos nas políticas de família na Europa e no impacto da crise nas crianças e na vida familiar. É membro fundador da Associação Portuguesa de Sociologia (1985) e da Associação Europeia de Sociologia (1992). Trabalha, desde 1994, como especialista internacional em políticas familiares em várias instituições e redes europeias. Foi membro do Observatório Europeu de Políticas Nacionais de Família. Foi membro do Comité de Peritos em Políticas Sociais para Famílias e Crianças do Conselho da Europa. É membro, da International Network on Leave Policies and Research. Em 2018, foi professora visitante na Universidade de Genebra (Alba Viotto Professorship). Foi fundadora e coordenadora até 2018 do Observatório de Famílias e Políticas Familiares (OFAP).

Sofia Aboim, socióloga,  tem trabalhado desde 1997 no ICS, onde actualmente é Investigadora Auxiliar. É também  membro do GEXcel − International Collegium for Advanced Transdisciplinary Gender Studies, sediado nas Universidades de Linköping, Karlstad e Örebro na Suécia. Tem vindo a trabalhar sobre vários temas, destacando-se por um lado a família, as gerações e o curso de vida, e, por outro, o género e a sexualidade, as masculinidades e as feminilidades, bem como os processos de discriminação social, as migrações e as sociedades pós-coloniais. Entre os seus interesses teóricos incluem-se ainda a teoria crítica, a modernidade ou o pós-colonialismo.

Filipe Carreira da Silva, Investigador Auxiliar do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa  e fellow do Selwyn College da Universidade de Cambridge. É, desde 2012-2013, professor convidado no Departamento de Sociologia da Universidade de Cambridge. Os seus interesses académicos passam pelas teorias sociológicas, sociologia política urbana e estudos sobre cidadania. O seu actual projecto de investigação - Populus: Repensando o Populismo (2018-2021) - é financiado pela FCT e propõe-se responder à questão de porque é que não há populismo em Portugal.