Mutação dos Media: Transformações da comunicação pública e científica

Mutação dos Media: Transformações da comunicação pública e científica

Em menos de uma década, os modos de criação e distribuição de conteúdo nos ambientes digitais têm conhecido transformações importantes, reconfigurando os modelos tradicionalmente adoptados pelas indústrias culturais. Quatro traços significativos caracterizam esta evolução e a emergência de uma "cultura participativa" [Jenkins06]. Primeiro, os utilizadores são incitados a produzir e a difundir online os seus próprios conteúdos. Esta característica é frequentemente designada pelas expressões user-generated content (UGC) ou user-created content (UCC) [OECD07]. Segundo, esta participação parece ser facilitada pela pouca exigência ao nível dos esforços cognitivos e técnicos necessários para explorar as ferramentas destas novas plataformas (mesmo persistindo desigualdades de acesso e de apropriação das ferramentas). A expansão de práticas de criação e de troca de conteúdos entre os utilizadores comuns é assim favorecida [LeadMiller04]. Terceiro, estas mutações apoiam-se no desenvolvimento de grandes comunidades online, em rede e sem uma estrutura hierárquica pré-definida [Suro05]. Por fim, surgem modelos económicos originais [Gensollen06] baseados em agregados gigantescos de contribuições individuais frequentemente mínimas. Hoje, as novas formas participativas multiplicam-se, exigindo adaptações estratégicas de diversos sectores das indústrias culturais. O ambiente geral no mercado de conteúdos é experimentação, mesmo que se desconheça como melhor assegurar o lucro. No jornalismo isto é particularmente claro: todo o produto informativo é concebido num único local de produção e sob renovados ambientes de gestão informacional. Os jornalistas devem saber produzir conteúdos, diariamente, para todos os suportes media, imprensa, rádio, televisão e internet, e as notícias devem estar preparadas para distribuição através dos sistemas de podcasting, sms, rss, blogging. A comunicação científica também tem sido transformada com o aumento do acesso e uso da Internet. O volume de troca de informação científica cresceu exponencialmente. O nosso programa de investigação propõe a análise das práticas colaborativas de criação e troca de conteúdos, aferindo as mutações sobre a comunicação pública e científica. Recorrer-se-á a uma abordagem de estudo de caso: Video online, o seu uso como comunicação política [Losh08]; Jornalismo cidadão, como as TIC afectam as regras tradicionais do jornalismo [JPLeCamPe05]; Redes científicas online: partilha e criação conjunta de conhecimento científico [Mathieu02]; Blogues científicos: a utilização dos blogues na área da comunicação científica [Bradley07]. Pretende-se assim produzir um conhecimento científico inédito sobre as diferentes formas participativas de criação e troca de conteúdos informacionais e culturais online. Os objectivos são determinar os contornos da emergência da contribuição online como forma social e descrever como a inovação tecnológica pode transformar a comunicação pública e científica. O projecto permite estabelecer uma parceria entre dois importantes centros de investigação em Portugal e no Canadá, fortalecendo os laços do que tem sido até agora uma colaboração informal e intermitente. A equipa de investigação em Ciência, Tecnologia e Sociedade, dirigida por José Luís Garcia, desenvolve, há 15 anos, estudos e reflexão sobre as implicações sociais, económicos e políticos da tecnologia contemporânea ([Garcia06a], [Garcia06b], [Subtil06], [Silva09]). No âmbito das tecnologias da informação e do jornalismo, tem vindo a investigar os efeitos da inovação tecnológica e dos novos modelos de gestão na reorganização da indústria dos media, nas concepções de informação e jornalismo, nas práticas jornalísticas, no ambiente de trabalho das redacções e nas transformações da profissão de jornalista ([Garcia09], [MeiGra07]). Os membros da equipa canadiana têm explorado a apropriação social das tecnologias pelos utilizadores, desde a pesquisa sobre os primeiros utilizadores de computadores [Proulx88], ao estudo sobre culturas técnicas e activismo ([ProuxLToth00], [GoldCout07]), há mais de 25 anos. A pesquisa mais recente foca-se sobre os usos da Internet ([Millerand02], [ProulxCout06]), novas tecnologias para a ciência [MilleBow09], bem como a criação e circulação de conhecimento em situações de inovação e colaboração heterogéneas ([HeTayEv02], [Heaton05]). Por fim, dois consultores irão contribuir como peritos nos domínios da economia [Gensollen06] e do impacto social das TIC [Licoppe07]. Este projecto parte assim de investigação anterior. O interesse pela compreensão dos usos das TIC concretiza-se assim nesta abordagem na noção de colaboração online. Este conceito sublinha a nova dinâmica de uso participativo online marcado em simultâneo pela convergência dos media e a instalação de plataformas colaborativas, bem como a importância de uma cultura aberta e livre.

 

Estatuto: 
Entidade proponente
Financiado: 
Não
Entidades: 
Fundação para a Ciência e Tecnologia
Keywords: 

Internet, Contribuição, Jornalismo, Comunicação científica

Em menos de uma década, os modos de criação e distribuição de conteúdo nos ambientes digitais têm conhecido transformações importantes, reconfigurando os modelos tradicionalmente adoptados pelas indústrias culturais. Quatro traços significativos caracterizam esta evolução e a emergência de uma "cultura participativa" [Jenkins06]. Primeiro, os utilizadores são incitados a produzir e a difundir online os seus próprios conteúdos. Esta característica é frequentemente designada pelas expressões user-generated content (UGC) ou user-created content (UCC) [OECD07]. Segundo, esta participação parece ser facilitada pela pouca exigência ao nível dos esforços cognitivos e técnicos necessários para explorar as ferramentas destas novas plataformas (mesmo persistindo desigualdades de acesso e de apropriação das ferramentas). A expansão de práticas de criação e de troca de conteúdos entre os utilizadores comuns é assim favorecida [LeadMiller04]. Terceiro, estas mutações apoiam-se no desenvolvimento de grandes comunidades online, em rede e sem uma estrutura hierárquica pré-definida [Suro05]. Por fim, surgem modelos económicos originais [Gensollen06] baseados em agregados gigantescos de contribuições individuais frequentemente mínimas. Hoje, as novas formas participativas multiplicam-se, exigindo adaptações estratégicas de diversos sectores das indústrias culturais. O ambiente geral no mercado de conteúdos é experimentação, mesmo que se desconheça como melhor assegurar o lucro. No jornalismo isto é particularmente claro: todo o produto informativo é concebido num único local de produção e sob renovados ambientes de gestão informacional. Os jornalistas devem saber produzir conteúdos, diariamente, para todos os suportes media, imprensa, rádio, televisão e internet, e as notícias devem estar preparadas para distribuição através dos sistemas de podcasting, sms, rss, blogging. A comunicação científica também tem sido transformada com o aumento do acesso e uso da Internet. O volume de troca de informação científica cresceu exponencialmente. O nosso programa de investigação propõe a análise das práticas colaborativas de criação e troca de conteúdos, aferindo as mutações sobre a comunicação pública e científica. Recorrer-se-á a uma abordagem de estudo de caso: Video online, o seu uso como comunicação política [Losh08]; Jornalismo cidadão, como as TIC afectam as regras tradicionais do jornalismo [JPLeCamPe05]; Redes científicas online: partilha e criação conjunta de conhecimento científico [Mathieu02]; Blogues científicos: a utilização dos blogues na área da comunicação científica [Bradley07]. Pretende-se assim produzir um conhecimento científico inédito sobre as diferentes formas participativas de criação e troca de conteúdos informacionais e culturais online. Os objectivos são determinar os contornos da emergência da contribuição online como forma social e descrever como a inovação tecnológica pode transformar a comunicação pública e científica. O projecto permite estabelecer uma parceria entre dois importantes centros de investigação em Portugal e no Canadá, fortalecendo os laços do que tem sido até agora uma colaboração informal e intermitente. A equipa de investigação em Ciência, Tecnologia e Sociedade, dirigida por José Luís Garcia, desenvolve, há 15 anos, estudos e reflexão sobre as implicações sociais, económicos e políticos da tecnologia contemporânea ([Garcia06a], [Garcia06b], [Subtil06], [Silva09]). No âmbito das tecnologias da informação e do jornalismo, tem vindo a investigar os efeitos da inovação tecnológica e dos novos modelos de gestão na reorganização da indústria dos media, nas concepções de informação e jornalismo, nas práticas jornalísticas, no ambiente de trabalho das redacções e nas transformações da profissão de jornalista ([Garcia09], [MeiGra07]). Os membros da equipa canadiana têm explorado a apropriação social das tecnologias pelos utilizadores, desde a pesquisa sobre os primeiros utilizadores de computadores [Proulx88], ao estudo sobre culturas técnicas e activismo ([ProuxLToth00], [GoldCout07]), há mais de 25 anos. A pesquisa mais recente foca-se sobre os usos da Internet ([Millerand02], [ProulxCout06]), novas tecnologias para a ciência [MilleBow09], bem como a criação e circulação de conhecimento em situações de inovação e colaboração heterogéneas ([HeTayEv02], [Heaton05]). Por fim, dois consultores irão contribuir como peritos nos domínios da economia [Gensollen06] e do impacto social das TIC [Licoppe07]. Este projecto parte assim de investigação anterior. O interesse pela compreensão dos usos das TIC concretiza-se assim nesta abordagem na noção de colaboração online. Este conceito sublinha a nova dinâmica de uso participativo online marcado em simultâneo pela convergência dos media e a instalação de plataformas colaborativas, bem como a importância de uma cultura aberta e livre.

 

Objectivos: 
O projecto visa delinear os contornos sociais da emergência da contribuição online como uma forma social específica, bem como produzir descrições compreensivas de exemplos nos quais a evolução tecnológica está a transformar a comunicação pública e científica. A equipa de investigação parte da hipótese que subjacente à diversidade dos casos a ser estudados, pode ser encontrada uma unidade, uma vez que as práticas colaborativas partilham certas características comum. Seguindo os trabalhos mais recentes no domínio, procuramos identificar a especificidade do que designamos por contribuição online e as suas implicações nos modos tradicionais de produção de conteúdos.
State of the art: 
This research project is situated at the intersection of the field of information and communication sciences and media studies on one side, and that of science and technology studies (STS), on the other. Several contemporary studies on communication, culture and media describe digital environments (resulting from the convergence between computer science, audiovisual media and telecommunications) as privileged spaces for cultural creation by the many. <p>Moreover, in recent studies on the use of technological innovations, the user is now perceived as being at the centre of these devices while playing an increasingly active role in the innovation process. In the beginning, this body of work described the capacity of the lead user to identify correctly &quot;their needs&quot;, then to invent a satisfactory technical solution, and finally, to build and test a prototype in actual conditions of use. These studies have been prolonged by taking into account a broader base of users susceptible to contribute to the process of ascending innovation: Von Hippel has spoken - wrongly or not - of a &quot;democratization of innovation&quot;. Our approach on contributory uses on the Internet follows the same line as these works on the uses of innovation in digital environments.</p><p>In contemporary world, intentional human actions are predominantly implemented by technical devices, incorporated in programs and automatized technical systems, which undergo restraint from the technical dynamism that pervades and reconfigures the different dimensions of the social life. In a way, human actions, and certainly the ones most relevant in their social impact, are today predominantly co-actions. Therefore, social sciences cannot consider technical devices only in terms of efficiency and productivity. They should, on the one hand, understand current technical-human co-actions through their uses and mechanisms of production of unforeseen consequences and by-products and, on the other, seek to make clear the global human and historical meaning of these present processes.</p><p>Following a movement which began mid-20th century, especially after World War II, communication now comprehends not only the traditional media sector, but also telecommunications and computers. The convergence - through digitalization - of ICT with other technical and economic sectors is based in the incorporation of information and knowledge, the driving force of the commonly designated &quot;knowledge economy&quot;. This set contains logical and ideological traits inherent to the incorporated technical spheres and their close ties to industrial sectors involved in the new procedures of knowledge production and management. In journalism, the technological environment, in association with the renewed political economy imposing itself on news rooms has begun to interfere with its fundamental premises, that is, with how the &quot;interpretative community&quot; of journalists understands their role and their profession.</p><p>As a theoretical framework, our program will draw from: (1) approaches to lead users developed in sociology of use and economic sociology; (2) studies on the uses and digital cultures, from information and communication sciences and media studies; (3) &quot;the paradigm of the gift&quot; - whose origin lies in the anthropological work of Marcel Mauss - is essential to think the &quot;form of contribution&quot;. Because he opposes utilitarianism, which reduces the individual to the result of a rational calculation, the model of the gift seems more respectful of the wealth of motivation at the source of contributory use; (4) philosophical theories on recognition will also hold a significant position in our program; (5) a perspective inspired by the sociology of scientific knowledge, exploring the role of technological artifacts in building shared understandings of knowledge problems in interdisciplinary contexts.</p><p>To describe these practices of creation and exchange, our analysis framework will include four dimensions: (a) the notion of communication in social sciences; (b) the level of expertise which internet contributors have to display and their relation with professionals; (c) the inclusion of such contributory uses in the context of an economy of the immaterial and of a process of exchange non-rival goods.</p><p>a) The discussion on communication, focusing the sociological complexity of this concept, contrasting different traditions of communication as culture: the Great Community, communicational reason, hermeneutical communication, communication as argumentation.</p><p>b) The assessment of the quality and the actual degree of expertise of regular contributors, while at the same time examining the processes by which the figure of the &quot;expert&quot; can (re) emerge in the group of users, paying particular attention to the recognition of contributions and collaboration between users.</p><p>c) The description of an economy of attention, that of mass media, an economy of free content and transfer of value to facilities and services necessary for their collective use, highlighting the possible risks of instrumentalization of goodwill during the formation of groups that organize and manage the corpus. The owners of collaborative platforms currently have the right to use the information, which can be employed to increase market efficiency.</p><p>&nbsp;</p>
Parceria: 
Não Integrado
Filipa Subtil
Patrícia Silva
Sara Meireles Graça
Serge Proulx
Florence Millerand
Lorna Heaton
Anne Goldenberg
Coordenador 
Data Inicio: 
01/02/2010
Data Fim: 
31/01/2013
Concluído