Instituições, Poder e Sociedade (séculos XVI-XIX). A monarquia portuguesa num contexto global

Instituições, Poder e Sociedade (séculos XVI-XIX). A monarquia portuguesa num contexto global

Este projecto de largo prazo serve como suporte geral para diversos sub-projectos de investigação do seu autor, nos quais se cruzam diferentes temáticas e diversas equipas de investigação. Com efeito, ele articula a história social das elites com a história do império, e essas temáticas com a história institucional da monarquia portuguesa e com a história política da mesma, grosso modo, entre 1580 e 1834. Pressupõe, em simultâneo, uma dimensão de história comparada e a análise das relações entre as diferentes potência europeias, sobretudo no período que se estende de Vestefália (fim da guerra dos 30 anos) a Viena (final da guerras napoleónicas). 

O eixo central é a história comparativa do processo de statebulding de Portugal, articulado com a sua inserção na história global, o que pressupõe uma atenção particular à sua integração internacional (relações externas). O espaço de análise é o da monarquia portuguesa de Antigo Regime, o que, depois de 1640, implica a ponderação da sua dimensão multi-continental, progressivamente articulada sobretudo com o seus territórios no Atlântico.  O fulcro da análise situa-se no estudo das relações de poder e dos mecanismos de comunicação política da monarquia, em estreita conexão com os processos de estruturação, mobilidade e reprodução social das elites, numa escala que envolve uma grande diversidade de contextos e de territórios.

Com esta temática central se cruza, assim, uma enorme diversidade de objectos de análise, bem traduzida nas publicações do autor, em muitos casos de colaboração com outros investigadores, sobre diversos grupos de elite (como a primeira nobreza, as elites municipais, o clero, os diplomatas, os governadores do império), sobre espaços políticos e sociais centrais (como a corte), tal como sobre espaços periféricos (região do Rio da Prata). A diversidade das metodologias, que vão da biografia de indivíduos (rei D. José, 2º Duque de Lafões) até à prosopografia e á reconstituição de famílias (Óptima Pars, História da Vida Privada), não é, assim, incompatível com a unidade e a coerência das problemáticas discutidas e estudadas. De resto, os âmbitos cronológicos não são rígidos, podendo recuar até finais da Idade Média e alargar-se até ao presente (estudo sobre os sobre-nomes). Os âmbitos espaciais, também não, estendendo-se da análise comparativa das elites ibéricas, por exemplo, à análise do impacto das políticas de reforma no Brasil setecentista.

Estatuto: 
Entidade proponente
Financiado: 
Não

Este projecto de largo prazo serve como suporte geral para diversos sub-projectos de investigação do seu autor, nos quais se cruzam diferentes temáticas e diversas equipas de investigação. Com efeito, ele articula a história social das elites com a história do império, e essas temáticas com a história institucional da monarquia portuguesa e com a história política da mesma, grosso modo, entre 1580 e 1834. Pressupõe, em simultâneo, uma dimensão de história comparada e a análise das relações entre as diferentes potência europeias, sobretudo no período que se estende de Vestefália (fim da guerra dos 30 anos) a Viena (final da guerras napoleónicas). 

O eixo central é a história comparativa do processo de statebulding de Portugal, articulado com a sua inserção na história global, o que pressupõe uma atenção particular à sua integração internacional (relações externas). O espaço de análise é o da monarquia portuguesa de Antigo Regime, o que, depois de 1640, implica a ponderação da sua dimensão multi-continental, progressivamente articulada sobretudo com o seus territórios no Atlântico.  O fulcro da análise situa-se no estudo das relações de poder e dos mecanismos de comunicação política da monarquia, em estreita conexão com os processos de estruturação, mobilidade e reprodução social das elites, numa escala que envolve uma grande diversidade de contextos e de territórios.

Com esta temática central se cruza, assim, uma enorme diversidade de objectos de análise, bem traduzida nas publicações do autor, em muitos casos de colaboração com outros investigadores, sobre diversos grupos de elite (como a primeira nobreza, as elites municipais, o clero, os diplomatas, os governadores do império), sobre espaços políticos e sociais centrais (como a corte), tal como sobre espaços periféricos (região do Rio da Prata). A diversidade das metodologias, que vão da biografia de indivíduos (rei D. José, 2º Duque de Lafões) até à prosopografia e á reconstituição de famílias (Óptima Pars, História da Vida Privada), não é, assim, incompatível com a unidade e a coerência das problemáticas discutidas e estudadas. De resto, os âmbitos cronológicos não são rígidos, podendo recuar até finais da Idade Média e alargar-se até ao presente (estudo sobre os sobre-nomes). Os âmbitos espaciais, também não, estendendo-se da análise comparativa das elites ibéricas, por exemplo, à análise do impacto das políticas de reforma no Brasil setecentista.

Objectivos: 
O principal objectivo deste projecto é o de servir de âncora a diversos sub-projectos parcelares nos quais no seu autor de acha envolvido, fornecendo-lhe alguns recursos suplementares que lhe permitem levar a cabo certas pesquisas e trabalhos que, embora pontuais e limitados nos seus âmbitos e recursos, acabam porá ser fundamentais para o desenvolvimentos desses estudos mais específicos, geralmente com financiamento exterior. O facto de ter um orçamento limitado, não significa que não seja essencial. <p>De algum modo, é este o projecto, cujo âmbito é naturalmente muito amplo e diversificado, que se revela fundamental no desenvolvimento da actividade do autor. Sem ele, difícil seria manter uma produção permanente e equipas de investigação a funcionar quando os financiamentos exteriores ainda não chegaram.  </p>
Parceria: 
Não Integrado
Coordenador 
Data Inicio: 
01/10/2004
Data Fim: 
31/12/2009
Duração: 
62 meses
Concluído