EuroLifeNet: Ambiente, Saúde e Cidadania

EuroLifeNet: Ambiente, Saúde e Cidadania

O Projecto EuroLifeNet visa experimentar e testar uma metodologia participativa de monitorização da exposição pessoal a partículas finas, procurando desencadear a mobilização e a sensibilização ambiental e fortalecer as raízes de uma cidadania responsável e duradoura entre os participantes do projecto (maioritariamente alunos do ensino secundário) e, através deles, das suas famílias.
A componente nuclear deste projecto consiste na solicitação de dados científicos sobre exposição pessoal a micropartículas em suspensão na atmosfera feita pelo núcleo de investigadores à rede nacional de escolas aderentes, utilizando como colaboradores de produção científica um grupo relativamente disperso de alunos, inicialmente seleccionado em função do local de residência e do meio de transporte utilizado na deslocação para a instituição de ensino. Cada um destes alunos transporta durante 24 horas um medidor de partículas portátil e um GPS e regista sistematicamente no "diário de bordo" os ambientes frequentados e os percursos efectuados durante as campanhas de monitorização da qualidade do ar, contributo essencial para a interpretação dos dados recolhidos.
A vertente sociológica consiste na análise dos efeitos na população estudantil participante, tentando aferir como o envolvimento neste projecto-piloto contribui para modelar os valores e as representações sociais relativas à qualidade do ar e conferir visibilidade à temática.

Estatuto: 
Entidade participante
Financiado: 
Não
Rede: 
EuroLifeNet
Keywords: 

Poluição atmosférica, Ciência, Cidadania

O Projecto EuroLifeNet visa experimentar e testar uma metodologia participativa de monitorização da exposição pessoal a partículas finas, procurando desencadear a mobilização e a sensibilização ambiental e fortalecer as raízes de uma cidadania responsável e duradoura entre os participantes do projecto (maioritariamente alunos do ensino secundário) e, através deles, das suas famílias.
A componente nuclear deste projecto consiste na solicitação de dados científicos sobre exposição pessoal a micropartículas em suspensão na atmosfera feita pelo núcleo de investigadores à rede nacional de escolas aderentes, utilizando como colaboradores de produção científica um grupo relativamente disperso de alunos, inicialmente seleccionado em função do local de residência e do meio de transporte utilizado na deslocação para a instituição de ensino. Cada um destes alunos transporta durante 24 horas um medidor de partículas portátil e um GPS e regista sistematicamente no "diário de bordo" os ambientes frequentados e os percursos efectuados durante as campanhas de monitorização da qualidade do ar, contributo essencial para a interpretação dos dados recolhidos.
A vertente sociológica consiste na análise dos efeitos na população estudantil participante, tentando aferir como o envolvimento neste projecto-piloto contribui para modelar os valores e as representações sociais relativas à qualidade do ar e conferir visibilidade à temática.

Objectivos: 
O objectivo do Programa EuroLifeNet é testar uma metodologia participativa de monitorização da exposição pessoal a partículas (poluente atmosférico com graves efeitos na saúde) que procura desencadear a mobilização e a sensibilização ambiental e fortalecer as raízes de uma cidadania responsável e duradoura entre os participantes do projecto (maioritariamente alunos do ensino secundário) e, através deles, das suas famílias.
State of the art: 
O car&aacute;cter mut&aacute;vel quer da conven&ccedil;&atilde;o acerca do n&iacute;vel de polui&ccedil;&atilde;o aceit&aacute;vel, quer das fontes emissoras, quer da natureza dos pr&oacute;prios poluentes em presen&ccedil;a na atmosfera, tem contribu&iacute;do para que a percep&ccedil;&atilde;o da polui&ccedil;&atilde;o do ar enquanto amea&ccedil;a ? seja ambiental, epidemiol&oacute;gica, social, pol&iacute;tica ou econ&oacute;mica ? continue ainda hoje em constru&ccedil;&atilde;o. Como sublinha a soci&oacute;loga Melanie DuPuis na colect&acirc;nea Smoke and Mirrors: ?[?] the emergence of air pollution as ?problem? is still a work-in-progress? (2004: 9). <br />Efectivamente, enquanto problema, a polui&ccedil;&atilde;o de ar tem desafiado as abordagens mais simplistas: poder-se-&aacute; consider&aacute;-la acidental ou quotidiana, inevit&aacute;vel ou control&aacute;vel, um sinal de progresso econ&oacute;mico ou de deteriora&ccedil;&atilde;o urbana. Estas m&uacute;ltiplas posturas por parte de diferentes actores sociais ? sejam as entidades respons&aacute;veis pela avalia&ccedil;&atilde;o e gest&atilde;o institucional dos riscos (administra&ccedil;&atilde;o p&uacute;blica, &oacute;rg&atilde;os de decis&atilde;o e institui&ccedil;&otilde;es de controlo e fiscaliza&ccedil;&atilde;o); os membros de organismos t&eacute;cnicos e cient&iacute;ficos (peritos e cientistas); os respons&aacute;veis e os profissionais dos &oacute;rg&atilde;os de comunica&ccedil;&atilde;o social; os representantes da sociedade civil (activistas das Organiza&ccedil;&otilde;es N&atilde;o Governamentais) ou as pr&oacute;prias popula&ccedil;&otilde;es ? indiciam que a tem&aacute;tica da qualidade de ar, uma vez que envolve valores e percep&ccedil;&otilde;es sociais, conhecimentos leigos e cient&iacute;ficos, tens&otilde;es e conflitos de poder e significado, exige uma aproxima&ccedil;&atilde;o que ultrapasse o dom&iacute;nio t&eacute;cnico-cient&iacute;fico para integrar leituras mais compreensivas da sua complexidade sociopol&iacute;tica. Como defende Melanie DuPuis, na obra j&aacute; anteriormente citada, a polui&ccedil;&atilde;o atmosf&eacute;rica &eacute;, afinal, o espelho da sociedade, reflecte cultura, pol&iacute;tica e prioridades colectivas (2004). <br />Na actualidade, a agress&atilde;o &agrave; qualidade do ar, e sequentes riscos para a sa&uacute;de e impactos na qualidade de vida das popula&ccedil;&otilde;es, est&aacute; inextrincavelmente associada ao nov&iacute;ssimo contexto societal, essecialmente urbano, cujo padr&atilde;o de desenvolvimento se caracteriza, na viragem do mil&eacute;nio, por uma dispers&atilde;o territorial, funcional e socialmente diferenciada: ?[a]ir pollution is a growing problem because of rising urban populations, unchecked urban and industrial expansion and the phenomenal surge in the number and use of motor vehicles? (Bickerstaff e Walker, 1999: 133). <br />Sendo uma tend&ecirc;ncia mundial, o caso europeu n&atilde;o ser&aacute; excep&ccedil;&atilde;o. Na Europa cerca de 80% dos cidad&atilde;os vivem em zonas urbanas e a&iacute; sentem mais fortemente os efeitos de muitos dos problemas ambientais: &agrave; m&aacute; qualidade do ar, juntam-se em geral o ru&iacute;do, o tr&aacute;fego intenso, a neglig&ecirc;ncia quanto ao ambiente constru&iacute;do, a m&aacute; gest&atilde;o ambiental e a falta de planeamento estrat&eacute;gico que t&ecirc;m como resultado problemas de sa&uacute;de e uma diminui&ccedil;&atilde;o da qualidade de vida. Por conseguinte, n&atilde;o &eacute; surpreendente que a ?polui&ccedil;&atilde;o nas cidades? seja a imagem que os europeus associam mais frequentemente ao ambiente (Cf. The European Opinion Research Group, 2002). <br />Este contexto tem estimulado a produ&ccedil;&atilde;o de estudos cient&iacute;ficos pluridisciplinares, cuja relev&acirc;ncia ultrapassa em larga medida o conhecimento acad&eacute;mico, sendo vitais como elementos de suporte &agrave; decis&atilde;o pol&iacute;tica em moldes que permitam conciliar desenvolvimento econ&oacute;mico e social, protec&ccedil;&atilde;o do ambiente e/ou da sa&uacute;de p&uacute;blica e participa&ccedil;&atilde;o democr&aacute;tica.
Ana Gonçalves

EuroLifeNet

Coordenador 
Data Inicio: 
01/08/2006
Data Fim: 
29/02/2008
Duração: 
18 meses
Concluído