A Ciência, a Clínica e Arte da Sífilis no Desterro (1897-1955)

A Ciência, a Clínica e Arte da Sífilis no Desterro (1897-1955)

A remodelação dos Hospitais Civis de Lisboa fez encerrar em 2007 o Hospital do Desterro, lugar de referência de dermatovenereologia desde 1897. Este projecto pretende partir do seu espólio para não apenas resgatar a sua pouco conhecida história e o seu contributo para medicina portuguesa, mas também caracterizar as relações entre conhecimento científico, ensino da medicina, prática clínica e contexto social a propósito da sífilis em Portugal na primeira metade do século XX. Daremos especial atenção aos mandatos de Thomaz de Mello Breyner (1897-1933) e Luís de Sá Penella (1933-1955) na consulta de venereologia no Desterro. É nestes períodos que se dão duas transições de grande impacto na clínica e subsequente percepção da sífilis: a introdução do Salvarsan (1910) e da Penicilina (1941). Estes são também períodos de conturbadas transformações sociais que reverberam nas políticas de sífilis, na legalização do comércio sexual e na representação das moléstias sexualmente transmitidas. A investigação incluirá as seguintes linhas: 1. Avaliação, classificação e recomendações de conservação relativamente ao espólio existente, actualmente guardado no Centro Hospitalar de Lisboa Central (Capuchos). Explorações preliminares destacam vários conjuntos de documentação - literatura científica, fichas e livros de registos de consultas e internamentos, dados relativos ao corpo clínico, fotografias, resultados de conferências da especialidade, instrumentos médicos, material hospitalar de uso clínico e de apoio, e ainda uma colecção de figuras de cera (moulages) representando lesões dermatológicas na sua maioria associadas aos efeitos da sífilis. O trabalho a desenvolver neste âmbito consistirá em classificar as existências, identificar as soluções de conservação e as possibilidades de disponibilização dos conteúdos para a comunidade científica, propondo uma interpretação dos materiais à luz das actuais tendências e discussões sobre a musealização da ciência. Daremos particular atenção à colecção de figuras de cera, elementos únicos de trabalho artístico ao serviço da investigação e ensino da dermatologia, e objecto de um amplo volume de literatura (Schnalke 1995; Lanza et al 1997; Hopwood 2002; Riva et al 2007)\ 2. Reconstituição da história da dermatovenereologia em Portugal. Complementando a componente formal feita a partir da disciplina, patente em artigos dos seus anais e actualmente em elaboração por um especialista em dermatologia (Prates, com. pessoal), propomos uma componente analítica que integrará a literatura de cariz histórico (Graça 2000) e interpretará o desenvolvimento da especialidade no contexto português e no âmbito dos desenvolvimentos clínicos e cognitivos internacionais.  3. Análise do contexto social da sífilis e seu tratamento no Desterro. Uma exploração preliminar permitiu-nos identificar alguns livros de registos de consulta externa para pacientes com sífilis relativos aos períodos imediatamente anteriores à descoberta do Salvarsan em 1910. Os dados permitem uma breve caracterização social da população atendida e uma substancial caracterização das terapias utilizadas. A partir deles pretendemos averiguar de que modo, a que ritmo e com que critérios se vão substituindo os tratamentos mercuriais pelos arsenicais. Igualmente nos propomos caracterizar a população servida pela consulta e interpretar os dados em confronto com a literatura existente sobre sexualidade e doenças venéreas em Lisboa. Em paralelo, pretendemos analisar a coexistência de enfermarias separadas de mulheres - a de N. Sra. da Piedade, para pacientes "comuns", e a de Santa Maria Madalena, reservada a meretrizes, toleradas e mulheres confinadas por acção da polícia sanitária - uma "enfermaria-prisão" que nos leva a expandir às variáveis género e classe as questões levantadas por Foucault(1975) e alargar algumas questões de articulação de género, saúde e poder político discutidas na literatura internacional sobre sífilis, prostituição e regulamentação (Corbin, Carrara).  4. Desenvolvimento de alguns estudos de caso ilustrando os enredos sociais e os dramas vividos para além do contexto do hospital. Para além dos mais divulgados problemas de regulamentação e policiamento da prostituição, aqueles incluem a contaminação conjugal, as violações de pré-púberes, a violência sexual nas prisões, a transmissão mãe-filho e a transmissão lactente-ama (v. Kertzer). 5. Discussão e contextualização dos desenvolvimentos da dermatovernereologia em Portugal através de dois eixos: um eixo convencional de história da ciência, questionando o desenvolvimento das instituições nacionais; um eixo exploratório na linha dos estudos sociais da ciência, focando a circulação de objectos materiais, objectos de conhecimento e actores do conhecimento e suas interacções.

Projecto A Ciência, a Clínica e Arte da Sífilis no Desterro (1897-1955) - HC/0071/2009 - Financiado pela FCT

Estatuto: 
Entidade proponente
Financiado: 
Não
Entidades: 
Fundação para a Ciência e Tecnologia
Keywords: 

Medicina; Sífilis; Dermatologia; Hospital

A remodelação dos Hospitais Civis de Lisboa fez encerrar em 2007 o Hospital do Desterro, lugar de referência de dermatovenereologia desde 1897. Este projecto pretende partir do seu espólio para não apenas resgatar a sua pouco conhecida história e o seu contributo para medicina portuguesa, mas também caracterizar as relações entre conhecimento científico, ensino da medicina, prática clínica e contexto social a propósito da sífilis em Portugal na primeira metade do século XX. Daremos especial atenção aos mandatos de Thomaz de Mello Breyner (1897-1933) e Luís de Sá Penella (1933-1955) na consulta de venereologia no Desterro. É nestes períodos que se dão duas transições de grande impacto na clínica e subsequente percepção da sífilis: a introdução do Salvarsan (1910) e da Penicilina (1941). Estes são também períodos de conturbadas transformações sociais que reverberam nas políticas de sífilis, na legalização do comércio sexual e na representação das moléstias sexualmente transmitidas. A investigação incluirá as seguintes linhas: 1. Avaliação, classificação e recomendações de conservação relativamente ao espólio existente, actualmente guardado no Centro Hospitalar de Lisboa Central (Capuchos). Explorações preliminares destacam vários conjuntos de documentação - literatura científica, fichas e livros de registos de consultas e internamentos, dados relativos ao corpo clínico, fotografias, resultados de conferências da especialidade, instrumentos médicos, material hospitalar de uso clínico e de apoio, e ainda uma colecção de figuras de cera (moulages) representando lesões dermatológicas na sua maioria associadas aos efeitos da sífilis. O trabalho a desenvolver neste âmbito consistirá em classificar as existências, identificar as soluções de conservação e as possibilidades de disponibilização dos conteúdos para a comunidade científica, propondo uma interpretação dos materiais à luz das actuais tendências e discussões sobre a musealização da ciência. Daremos particular atenção à colecção de figuras de cera, elementos únicos de trabalho artístico ao serviço da investigação e ensino da dermatologia, e objecto de um amplo volume de literatura (Schnalke 1995; Lanza et al 1997; Hopwood 2002; Riva et al 2007)\ 2. Reconstituição da história da dermatovenereologia em Portugal. Complementando a componente formal feita a partir da disciplina, patente em artigos dos seus anais e actualmente em elaboração por um especialista em dermatologia (Prates, com. pessoal), propomos uma componente analítica que integrará a literatura de cariz histórico (Graça 2000) e interpretará o desenvolvimento da especialidade no contexto português e no âmbito dos desenvolvimentos clínicos e cognitivos internacionais.  3. Análise do contexto social da sífilis e seu tratamento no Desterro. Uma exploração preliminar permitiu-nos identificar alguns livros de registos de consulta externa para pacientes com sífilis relativos aos períodos imediatamente anteriores à descoberta do Salvarsan em 1910. Os dados permitem uma breve caracterização social da população atendida e uma substancial caracterização das terapias utilizadas. A partir deles pretendemos averiguar de que modo, a que ritmo e com que critérios se vão substituindo os tratamentos mercuriais pelos arsenicais. Igualmente nos propomos caracterizar a população servida pela consulta e interpretar os dados em confronto com a literatura existente sobre sexualidade e doenças venéreas em Lisboa. Em paralelo, pretendemos analisar a coexistência de enfermarias separadas de mulheres - a de N. Sra. da Piedade, para pacientes "comuns", e a de Santa Maria Madalena, reservada a meretrizes, toleradas e mulheres confinadas por acção da polícia sanitária - uma "enfermaria-prisão" que nos leva a expandir às variáveis género e classe as questões levantadas por Foucault(1975) e alargar algumas questões de articulação de género, saúde e poder político discutidas na literatura internacional sobre sífilis, prostituição e regulamentação (Corbin, Carrara).  4. Desenvolvimento de alguns estudos de caso ilustrando os enredos sociais e os dramas vividos para além do contexto do hospital. Para além dos mais divulgados problemas de regulamentação e policiamento da prostituição, aqueles incluem a contaminação conjugal, as violações de pré-púberes, a violência sexual nas prisões, a transmissão mãe-filho e a transmissão lactente-ama (v. Kertzer). 5. Discussão e contextualização dos desenvolvimentos da dermatovernereologia em Portugal através de dois eixos: um eixo convencional de história da ciência, questionando o desenvolvimento das instituições nacionais; um eixo exploratório na linha dos estudos sociais da ciência, focando a circulação de objectos materiais, objectos de conhecimento e actores do conhecimento e suas interacções.

Projecto A Ciência, a Clínica e Arte da Sífilis no Desterro (1897-1955) - HC/0071/2009 - Financiado pela FCT

Objectivos: 
<p>.</p>
Parceria: 
Não Integrado
Joana Ribeiro
Luís Junior Costa Saraiva
Sandra Teresa Valadas Geraldo Tacão
Célia de Jesus Pina Pilão
António Manuel Perestrelo Correia de Matos
Coordenador 
Data Inicio: 
10/01/2010
Data Fim: 
10/01/2012
Duração: 
24 meses
Concluído