INTERNATIONAL SOCIAL SURVEY PROGRAMME - 2000 Ambiente

INTERNATIONAL SOCIAL SURVEY PROGRAMME - 2000 Ambiente

O International Social Survey Programme (ISSP) é a mais antiga e vasta rede internacional de estudos comparativos e longitudinais, envolvendo a aplicação anual de questionários comuns em mais de quatro dezenas de países. Os principais objectivos são:

- desenvolver módulos temáticos na área das ciências sociais e um extenso conjunto de varáveis sociodemográficas;

- produzir dados internacionais comparativos;

- criar um instrumento de análise longitudinal;

- disponibilizar dados à comunidade científica e ao público em geral



Portugal participa nesta rede de pesquisa desde 1997.



Os inquéritos ISSP são aplicados anualmente a uma amostra representativa da população residente no continente com 18 ou mais anos, independentemente da sua nacionalidade ou situação legal.



O inquérito desenvolvido em 2000 teve como principal objectivo estudar as atitudes face ao ambiente. O questionário é constituído por um módulo sociodemográfico e um módulo sobre atitudes ambientais. Para além destes dois módulos, a equipa portuguesa entendeu acrescentar dois outros módulos que tiveram aplicação apenas em Portugal: percepções sobre a situação económica e laboral do país e sobre o património histórico.



Foi editado no âmbito deste projecto o livro:



Lima, L., Cabral, M.V. & Vala, J. (Orgs.), (2001). Ambiente e desenvolvimento. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.

Estatuto: 
Proponent entity
Rede: 
International Social Survey Programme
Keywords: 

Ambiente

Desenvolvimento

Atitudes sociais

Estudos transnacionais

O International Social Survey Programme (ISSP) é a mais antiga e vasta rede internacional de estudos comparativos e longitudinais, envolvendo a aplicação anual de questionários comuns em mais de quatro dezenas de países. Os principais objectivos são:

- desenvolver módulos temáticos na área das ciências sociais e um extenso conjunto de varáveis sociodemográficas;

- produzir dados internacionais comparativos;

- criar um instrumento de análise longitudinal;

- disponibilizar dados à comunidade científica e ao público em geral



Portugal participa nesta rede de pesquisa desde 1997.



Os inquéritos ISSP são aplicados anualmente a uma amostra representativa da população residente no continente com 18 ou mais anos, independentemente da sua nacionalidade ou situação legal.



O inquérito desenvolvido em 2000 teve como principal objectivo estudar as atitudes face ao ambiente. O questionário é constituído por um módulo sociodemográfico e um módulo sobre atitudes ambientais. Para além destes dois módulos, a equipa portuguesa entendeu acrescentar dois outros módulos que tiveram aplicação apenas em Portugal: percepções sobre a situação económica e laboral do país e sobre o património histórico.



Foi editado no âmbito deste projecto o livro:



Lima, L., Cabral, M.V. & Vala, J. (Orgs.), (2001). Ambiente e desenvolvimento. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais.

Objectivos: 
Estudar numa perspectiva comparativa as atitudes face ao ambiente. As principais temáticas abrangidas são: atitudes face à ciência, ambiente e desenvolvimento, preocupações e valores ambientais, ameaças ambientais, intervenção do Estado, confiança nas fontes de informação, práticas ambientais, comportamentos individuais e institucionais, participação em questões ambientais, conhecimento científico e ambientais, valores político-ideológicos e fatalismo.
State of the art: 
Os problemas ambientais estão hoje naturalmente presentes no nosso quotidiano. Os movimentos ambientalistas são um fenómeno do século XX. Começaram associados a grupos conservacionistas, que promoveram a criação das primeiras áreas naturais protegidas nos EUA e mais tarde na Europa: Estes apresentavam, contudo, características diferentes dos grupos ambientalistas actuais. Estudos elaborados um pouco por todo o mundo têm vindo a confirmar uma maior preocupação com o ambiente, associada a uma nova visão das relações entre a sociedade e o ambiente, menos centradas no domínio do homem sobre a natureza, mas mais associadas à noção de que as acções do homem afectam o equilíbrio frágil com a natureza e podem ter consequências desastrosas. Esta consciência ambiental também parece ter-se tornado global e não ser apanágio apenas dos países mais desenvolvidos, dos maiores produtores de poluição ou dos mais preocupados cm valores pós-materialistas.
Luisa Lima
Paula Castro
Manuela Reis
Coordenador 
Start Date: 
01/08/1999
End Date: 
01/12/2001
Duração: 
24 meses
Closed