Impacto da Crise nas Crianças Portuguesas

Impacto da Crise nas Crianças Portuguesas
Indicadores, Políticas, Representações
Categoria: 
ISBN: 
978-972-671-350-0
Idioma: 
Português
Data de publicação: 
2015/Feb
Dimensão: 
23x15
Nº Páginas: 
218
Coleção: 
​Observatórios ICS
Formato: 
Capa Mole
16,00 €14,40 €

Este livro procura fazer um retrato aprofundado e actualizado sobre a infância em Portugal em período de crise. Apesar de se reconhecer o impacto dramático que a crise económica está a ter nas crianças e nas suas famílias, pouco se sabe sobre a situação real das mesmas. Dar visibilidade aos quotidianos infantis e ao modo como estão a ser afectados pela crise significa ouvir as próprias crianças e conhecer as suas experiências. Muitas vezes esquecidas ou marginalizadas num debate público que privilegia a palavra dos adultos, dar-lhes voz é reconhecer a sua autonomia como produtoras de discursos coerentes. Mas a este propósito junta-se outro: analisar, a partir de estudos recentes e dados estatísticos disponíveis, a situação actual da infância na sociedade portuguesa e as políticas públicas com impacto nas crianças e nas famílias com crianças.

 

As autoras p.17
Prefácio p.21
Introdução p.23
Parte 1 - Situação actual das crianças: indicadores sociais p.25
Parte 2 - Políticas públicas em contexto de crise p.75
Parte 3 - A voz das crianças em tempo de crise p.105
Parte 4 - Principais resultados e recomendações p.183
Bibliografia p.193
Anexos p.199

 

Karin Wall, sociológa. É actualmente investigadora coordenadora e directora do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. Lecciona a nível graduado e pós-graduado desde 1980, no ISCTE-IUL e no Instituto de Ciências Sociais.  As suas principais áreas de especialização são a sociologia da família e das relações de género, a análise comparativa de políticas sociais e a sociologia das migrações. A sua investigação e publicações centram-se nas mudanças na família e relações de género em Portugal e na Europa, na conciliação trabalho-família, na paternidade e no papel dos homens na família, nas solidariedades e redes sociais ao longo da vida, nas migrações e vivências transnacionais, nos desenvolvimentos nas políticas de família na Europa e no impacto da crise nas crianças e na vida familiar. É membro fundador da Associação Portuguesa de Sociologia (1985) e da Associação Europeia de Sociologia (1992). Trabalha, desde 1994, como especialista internacional em políticas familiares em várias instituições e redes europeias. Foi membro do Observatório Europeu de Políticas Nacionais de Família. Foi membro do Comité de Peritos em Políticas Sociais para Famílias e Crianças do Conselho da Europa. É membro, da International Network on Leave Policies and Research. Em 2018, foi professora visitante na Universidade de Genebra (Alba Viotto Professorship). Foi fundadora e coordenadora até 2018 do Observatório de Famílias e Políticas Familiares (OFAP).

Ana Nunes de Almeida doutorou-se em  Sociologia em 1991, no ISCTE. É actualmente investigadora coordenadora no Instituto de Ciências Sociais e Presidente do seu Conselho Científico. Coordena o Doutoramento InterUniversitário em Sociologia, OpenSoc - Conhecimento para Sociedades Abertas e Inclusivas (consórcio que integra o ICS, ISCSP e ISEG - ULisboa, a FCSH da Nova, o IIFA da UEvora e a Faculdade de Economia da UAlg). É membro do Bureau do Comité de Recherche Sociologie de l'Enfance da Association Internationale des Sociologues de Langue Française, bem como da Direcção da Research Network Childhood da European Sociological Association. Entre os seus objectos científicos preferidos contam-se a família, a infância e a escola. Desenvolve actualmente pesquisa na área das culturas infantis e catástrofes, crianças e animais.

Maria Manuel Vieira doutorou-se em Sociologia (1998, ISCTE, Lisboa) e é, desde 2003, investigadora no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, onde coordena o OPJ - Observatório Permanente da Juventude - ICS. Publicou vários livros, coletâneas e artigos científicos nacionais e internacionais sobre sistema educativo e modernidade; escolarização e processos de individuação; estudantes universitários, escolhas vocacionais e mobilidade internacional; escolaridade como laço de filiação entre pais e filhos; culturas adolescentes no espaço escolar; educação, juventude e políticas públicas.

Vanessa Cunha, socióloga e investigadora auxiliar no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa (ICS-ULisboa), pertencendo ao Grupo de Investigação LIFE - Percursos de Vida, Desigualdade e Solidariedade: Práticas e Políticas. No seu percurso de investigação destacam-se duas linhas de pesquisa: uma sobre baixa fecundidade, adiamento dos nascimentos, decisões reprodutivas e parentalidade; e outra sobre conciliação família-trabalho, políticas públicas, igualdade de género e masculinidades. Integrou a equipa de vários projetos nacionais e internacionais, nomeadamente do projeto “Men’s Roles in a Gender Equality Perspective” (2014-2016), desenvolvido em parceria com a CITE e financiado pelo Mecanismo Financeiro do Espaço Económico Europeu, EEA Grants, Área de Programa PT07 - Integração da Igualdade de Género e Promoção do Equilíbrio entre o Trabalho e a Vida Privada.