Uma História Agrária de Portugal, 1000-2000

Uma História Agrária de Portugal, 1000-2000
Desenvolvimento económico na fronteira da Europa
Categoria: 
ISBN: 
978-972-671-747-8
Idioma: 
Português
Ano da primeira edição: 
2024
Data de publicação: 
2024/Apr
Dimensão: 
23x15
Nº Páginas: 
421
Coleção: 
Coleção Estudos
Formato: 
Capa Mole
25,00 €22,50 €

Este livro acompanha a renovação da história económica europeia oferecendo uma interpretação unificada sobre as fontes de crescimento e de estagnação. Para compreender melhor a diversidade dos padrões de crescimento devemos ir além do estudo da industrialização das economias dominantes e explorar os séculos que a antecederam. A agricultura portuguesa raramente esteve na vanguarda da tecnologia e da produtividade da Europa e, ao longo do segundo milénio, a distância do país em relação às economias próximas variou substancialmente. Contudo, se tivermos em conta os períodos da Reconquista Cristã, a recuperação da Peste Negra, a resposta à globalização do Renascimento, o iluminismo económico do século XVIII ou a industrialização do século XIX, poderemos concluir que, neste país da periferia europeia, a agricultura foi com frequência dinâmica e adaptativa. Considerando em conjunto a longa trajetória de 1000 anos, o facto de o atraso económico não ter sido superado no final do período deixou de ser o aspeto mais relevante dessa história.

Autores: Amélia Branco, Ana Maria Rodrigues, António Castro Henriques, Dulce Freire, Ester Gomes da Silva, Jaime Reis, José Vicente Serrão, Luciano Amaral, Margarida Sobral Neto, Pedro Lains e Susana Münch Miranda.

 

 

Índice  
Agradecimentos p. 15
Autores e organizadores    p. 17
Nota introdutória à edição portuguesa      p. 19
Introdução      p. 25
PARTE 1
FORMAÇÃO DO ESTADO E CRESCIMENTO MALTHUSIANO
Capítulo 1
A Reconquista e o seu legado, 1000-1348    
António Castro Henriques
Introdução     
 
 
p. 37
 
A Reconquista         p. 40
Desenvolvimentos institucionais       p. 51
Cidades, mercados e agrovilas    p. 60
Produção e produtividade      p. 64
Conclusão p. 68
Capítulo 2
A Peste Negra e a recuperação, 1348-1500  
Ana Maria S. A. Rodrigues
Introdução     
 
 
p. 75
 
Peste, guerra e declínio demográfico p. 76
A inversão de fortunas    p. 83
Comercialização p. 87
O impacto da primeira expansão ultramarina p. 93
Conclusão p. 95
PARTE 2
NOVAS FRONTEIRAS, CRISE E CRESCIMENTO
Capítulo 3
Lidando com a Europa e o Império, 1500-1620
Susana Münch Miranda
Introdução
 
 
p. 105
 
Pressão populacional e expansão urbana    p. 106
Quadro institucional e ciclos de produção agrícola p. 112
A paisagem rural e a estrutura de produção    p. 121
O mercado   p. 128
Conclusão      p. 131
Capítulo 4
Conflito e declínio, 1620-1703
Margarida Sobral Neto
Introdução  
 
 
p. 141
 
População nacional e emigração p. 143
Comércio colonial     p. 145
A agricultura de subsistência e o mercado    p. 149
Ciclos de produção   p. 162
Conclusão      p. 170
Capítulo 5
Crescimento extensivo e integração no mercado, 1703-1820
José Vicente Serrão
Introdução
 
 
 
p. 177
A paisagem rural        p. 180
O contexto macroeconómico p. 185
Produção e mercado de cereais    p. 196
Direitos de propriedade p. 204
Conclusão    p. 211
Capítulo 6
Produto agrícola bruto: uma perspetiva quantitativa e unificada, 1550-1850
Jaime Reis
Introdução
 
 
p. 225
 
Método e dados        p. 229
Tendência, ciclos e flutuações de curto prazo p. 239
Serão consistentes os resultados?      p. 250
Conclusão p. 257
Apêndice estatístico   p. 259
PARTE 3
CRESCIMENTO, MUDANÇA ESTRUTURAL E POLÍTICA ECONÓMICO
Capítulo 7
Crescimento, mudança institucional e inovação, 1820-1930
Amélia Branco e Ester Gomes da Silva
Introdução    
 
 
p. 273
 
Terra, produção e produtividade       p. 275
Mudança institucional        p. 284
Inovação p. 289
Conclusão    p. 295
Capítulo 8
Política agrícola, crescimento e declínio, 1930-2000
Luciano Amaral e Dulce Freire
Introdução       
 
 
p. 303
 
O crescimento da produção e da produtividade     p. 306
Proteção do Estado p. 312
Os efeitos da Política Agrícola Comum     p. 323 
O Estado, o sistema corporativo e outras organizações   p. 331
Conclusão      p. 335
PARTE 4
LIÇÕES DO SEGUNDO MILÉNIO
Capítulo 9
Agricultura e desenvolvimento económico na fronteira europeia, 1000-2000
Pedro Lains
Introdução   
 
 
p. 343
 
Lições da fronteira europeia     p. 346
Convergência com a agricultura europeia     p. 359
Conclusão    p. 375
Apêndice
Mapas e gráficos sobre o clima, o relevo, as divisões administrativas, a urbanização e as infraestruturas em Portugal, 1000-2000   
 
p. 383
Índice remissivo    p. 407

 

          

Dulce Freire ( Universidade de Coimbra), é professora auxiliar de História Económica e Social na Faculdade de Economia e investigadora principal do projeto ERC-StG ReSEED – Rescuing seed’s heritage: engaging in a new framework of agriculture and innovation since the 18th century no Centro de Estudos Interdisciplinares da Universidade de Coimbra. Tem desenvolvido pesquisa em temáticas da história rural, agrária e da alimentação na Península Ibérica.  Nos últimos anos, tem coordenado vários projetos de investigação relacionados com as mudanças na agricultura, alimentação, sociedade, economia e políticas públicas desde o século XVIII, cruzando investigadores e estudantes com diferentes formações científicas, como História, Antropologia, Sociologia, Geografia, Arquitetura ou Biologia. 

Pedro Lains foi investigador coordenador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, professor convidado da Faculdade de Economia e Gestão da Universidade Católica, e membro do Instituto Laureano Figuerola da Universidad Carlos III de Madrid. Foi professor visitante da Faculdade de Economia da UNL, das Universidades Carlos III de Madrid, Brown e Évora; e presidente da Associação Portuguesa de História Económica e Social, diretor da Imprensa de Ciências Sociais, secretário-geral da European Historical Economics Society, e diretor da revista Análise Social. Tem como área principal de investigação a História Económica dos séculos XIX e XX, preocupando-se sobretudo com o estudo do crescimento económico no longo prazo de Portugal e dos países periféricos da Europa, com o estudo da integração europeia e com os problemas atuais da economia portuguesa.