Aliyah

Aliyah
Estado e Subjetividades entre Judeus Brasileiros em Israel/Palestina
Categoria: 
ISBN: 
978-972-671-559-7
Idioma: 
Português
Data de publicação: 
2019/Nov
Dimensão: 
23x15
Nº Páginas: 
194
Coleção: 
Colecção Geral
Formato: 
Capa Mole
16,00 €14,40 €

“Fazer aliyah” é a expressão usada pelos interlocutores desta pesquisa para definir o processo de acesso à cidadania israelita em virtude de serem judeus. O caso de Israel como Estado-nação construído e reproduzido de forma sui generis constitui um terreno potenciador da compreensão dos fenómenos das circulações contemporâneas, sendo também desafiador ética e politicamente em virtude da situação palestiniana e do conflito/ocupação. Procura-se aqui dar conta da reconfiguração das subjetividades de judeus da diáspora que acedem à cidadania israelita, dos efeitos da subjetificação pelo sionismo e pelo Estado, e dos desafios identitários vividos pelos interlocutores.

 

Nota de abertura  p. 9
   
Capítulo I  Entrar - Sionismo, Estado e subjectividades p. 13
Introdução p. 13
A questão política deste terreno p. 16
História, Estado-nação:contradições p. 23
Dinâmicas contraditórias, ontem e hoje p. 33
Aliás, hipernormalidade estridente, hipernormalidade silenciada p. 35
Subjetividade e subjetivação p. 39
"Não pareces brasileira". Subjetividades complexas, motivações e avaliações de Aliá p. 41
Subjetivações desafiadas, ou "os países são metáforas embrulhadas em ideologia" p. 48
"Escreve o teu maior sonho num papel e queima-o" p. 56
   
Capítulo II  Inteligir e problematizar - narrativas dos interlocutores no terreno  p. 59
   
Capítulo III  Sair - ou começar de novo p. 179
   
Bibliografia p. 185
Índice remissivo p. 191

 

 

Miguel Vale de Almeida é doutorado em Antropologia pelo ISCTE (1994), é professor associado com agregação nessa instituição e investigador do CRIA. Desenvolveu pesquisa sobre género, “raça” e orientação sexual, em Portugal, Brasil e Espanha.