Portugal, Brasil e a Europa Napoleónica

Portugal, Brasil e a Europa Napoleónica
Categoria: 
ISBN: 
978-972-671-282-4
Idioma: 
Português
Data de publicação: 
2010/Dec
Nº Páginas: 
573
Coleção: 
Colecção Geral
Formato: 
Capa Mole
31,01 €27,91 €

Este livro reúne um conjunto de 24 contribuições originais que trazem novos elementos para a compreensão de um período crucial da história de Portugal e do seu império. Nas primeiras décadas do século XIX, Portugal não era apenas um pequeno reino de dimensão europeia. Era também a cabeça de uma monarquia que abrangia um vasto império ultramarino, no qual se destacava o território brasileiro. Se a história de Portugal não pode ser entendida fora do contexto europeu, igualmente o não pode ser fora do contexto imperial.

 

Introdução
José Luís Cardoso, Nuno Gonçalo Monteiro e José Vicente Serrão
p.13
Parte I
Portugal na Europa
 
Capítulo 1 - Napoleão e a Europa depois de Tilsit 
Jacques Oliver Boudon
p.25
Capítulo 2 - Bloqueio Continental e desbloqueio marítimo: o Brasil no contexto global das Guerras Napoleónicas 
José Luís Cardoso
p.39
Capítulo 3 - Diplomacia económica em tempos de crise: Portugal e a Escandinávia, 1801-1807 
Miguel Alexandre da Cruz 
p.61
Capítulo 4 - «Paz, amizade e liberdade»: Portugal e a Prússia no Congresso de Viena
Ana Maria Homem Leal de Faria
p.83
Capítulo 5 - O olhar mútuo: Portugal e Espanha na Guerra Peninsular (1807- -1814)
Antonio Moliner Prada
p.109
Parte II
Política e instituições em transição
 
Capítulo 6 - D. João VI e o conceito de transição política
Mendo Castro Henriques 
p.141
Capítulo 7 - «Considerações sobre a Revolução Política de 1808»: um inédito de Vicente José Ferreira Cardoso da Costa 
Lúcia Maria Bastos Pereira das Neves
p.167
Capítulo 8 - O exercício governativo de D. Miguel Pereira Forjaz, no contexto da Guerra Peninsular 
Ana Canas Delgado Martins
p.187
Capítulo 9 - Entre o reino e o império: os Açores e a viragem de 1807-1808
José Damião Bastos Pereira das Neves e Ricardo Manuel Madruga da Costa
p.211
Capítulo 10 - Uma personagem em meio ao Atlântico: Miguel António de Melo, governador dos Açores, 1806-1810
Guilherme Pereira das Neves
p.229
Capítulo 11 - Conselho Supremo Militar e de Justiça: idéias e práticas de uma cultura jurídica de Antigo Regime (1808-1831)
Adriana Barreto
p.249
Capítulo 12 - Instituições científicas em trânsito: Portugal – Brasil, 1808-1821
Maria de Fátima Nunes
p.273
Capítulo 13 - A Corte no Rio de Janeiro: o perigo francês, o perigo espanhol e o poderio inglês
Maria Beatriz Nizza da Silva
p.297
Capítulo 14 - 1808: «Rio de Janeiro, única capital imperial das Américas» 
Maria de Fátima da Silva Gouvêa
p.323
Parte III
Economia e sociedade em mudança
 
Capítulo 15 - Nobreza titulada e elites na monarquia portuguesa antes e depois de 1808 
Nuno Gonçalo Monteiro 
p.349
Capítulo 16 - Uma casa nos trópicos: a Casa Real portuguesa no Rio de Janeiro (1808-1821) 
Santiago Silva de Andrade
p.367
Capítulo 17 - 1808: a guerra contra os botocudos e a recomposição do Império português nos trópicos 
Vânia Maria Lousada Moreira
p.391
Capítulo 18 - As raças contra a nação: reflexões do médico Francisco Soares Franco
Ronald Raminelli
p.415
Capítulo 19 - Descontentamentos e protestos: territorialização da Coroa e direito à terra na América portuguesa
Márcia Maria Menendes Motta
p.435
Capítulo 20 - A Real Junta do Comércio do Rio de Janeiro: livre-comércio e  política manufatureira 
Tereza Cristina Kirschner
p.457
Parte IV
Entre a memória e representação
 
Capítulo 21 - O sebastianismo nas Guerras Peninsulares: a guerra sebástica contra as tropas francesas 
Jacqueline Hermann
p.483
Capítulo 22 - A guerra das cartas: da manipulação à sedição 
Sofia Geraldes
p.511
Capítulo 23 - Portugal na Guerra Peninsular: uma perspectiva britânica 
Charles Esdaile
p.529
Capítulo 24 - A ida da corte para o Brasil nos documentos do Arquivo Histórico Ultramarino: séries Brasil 
Érika Dias
p.553
Notas bibliograficas  p.569

 

José Luís Cardoso é investigador coordenador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e sócio efetivo da Academia das Ciências de Lisboa. Tem vasta obra publicada internacionalmente sobre temas de história do pensamento económico português em perspetiva comparada. É autor dos livros A Revolução Liberal de 1820 (Lisboa: CTT, 2019) e Manuel Fernandes Tomás. Ensaio Histórico- -Biográfico (Coimbra: Almedina, 2020, nova edição) e de diversos ensaios de história política, económica e intelectual sobre o período final do absolutismo e a génese do liberalismo em Portugal. 

Nuno Gonçalo Monteiro, Investigador Coordenador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa.  Realizou cerca de duas centenas de conferências e comunicações em Portugal, Espanha, França, Inglaterra, Itália, Bélgica, Holanda, Suiça, Áustria, Hungria, República Checa, Uruguai, Brasil, EUA e México, e foi professor visitante em universidades espanholas, francesas e brasileiras. Coordenou vários projectos de investigação internacionais e organizou diversos colóquios e reuniões científicas. Publicou mais de uma centena de títulos.