Políticas de População nos Trópicos

Políticas de População nos Trópicos
Demografia, Saúde e Transimperialismo na Angola Colonial
Autor(es): 
Categoria: 
ISBN: 
978-972-671-768-3
Idioma: 
Português
Ano da primeira edição: 
2024
Data de publicação: 
2024/Mar
Dimensão: 
23x15
Nº Páginas: 
470
Coleção: 
Coleção Estudos
Formato: 
Capa Mole
23,00 €20,70 €

Este livro analisa as políticas de população coloniais em Angola entre 1890 e 1945 numa perspetiva transimperial. Com base num conjunto vasto de fontes inéditas de múltiplos arquivos (de Angola e Portugal, mas também da França, Bélgica, Suíça, Alemanha e do Reino Unido), mostra como estas políticas foram concebidas, implementadas e contestadas. Analisa quer o modo e os motivos pelos quais médicos, administradores, missionários e outros atores coloniais tentaram compreender e quantificar as alterações demográficas, como a sua intervenção prática para «melhorar» as condições de saúde, os regimes reprodutivos e os padrões de migração da população «indígena» de Angola. O livro argumenta que estas intervenções estavam indissociavelmente ligadas a receios generalizados de despovoamento e subpovoamento, mas que a sua implementação foi muitas vezes dificultada por estruturas estatais fracas, conflitos internos na administração colonial e múltiplas formas de agência africana. Através de uma análise inédita e transimperial da história da demografia, saúde e migração na Angola colonial, o livro também desafia a ideia, ainda comum, do excecionalismo colonial português.

 

Índice  
Lista dos mapas  9
Lista das figuras 10
Lista das tabelas 11
Agradecimentos 15
Nota sobre a ortografia dos nomes próprios 21
Introdução 23
Capítulo 1
A doença do sono, receios de despovoamento e o surgimento de políticas de população

 

67

Capítulo 2
A medicina tropical e o controlo da doença do sono antes de 1918

 

119

Capítulo 3
A introdução da medicina social: aprendizagem interimperial e a Assistência Médica aos Indígenas no período entreguerras

 

183

Capítulo 4
Reavaliar o declínio populacional: demografia médica e as tensões do conhecimento estatístico

 

235

Capítulo 5
Salvar as crianças: mortalidade infantil e a política da maternidade

 

281

Capítulo 6
O problema da migração: receios de despovoamento, políticas de fronteira e as tensões do império

 

321

Conclusão 375
Epílogo: Demografia e políticas de população, 1945-1975 383
Fontes e referências bibliográficas 401
Índice remissivo 453

 

SAMUËL COGHE é professor associado em História da África e História Global na Universidade de Gent, na Bélgica. Depois de estudar História em Berlim e Lisboa, doutorou-se em História no Instituto Universitário Europeu em Florença, em 2014. De seguida, teve vários contratos pós-doutorais e outros na Alemanha, sobretudo em Berlim, no Instituto Max Planck da História da Ciência, na Universidade Humboldt e na Freie Universität. Além dos seus estudos sobre as políticas de população em Angola, publicou sobre a abolição do tráfico de escravos e da escravatura no Atlântico Sul, a história da medicina em África e a história global do gado e do capitalismo no império colonial francês. Atualmente, é investigador principal do projeto ERC (Post)Colonial Cattle Frontiers. Capitalism, Science and Empire in Southern and Central Africa, 1890s-1970s (2023-2028).