"Não Somos Bandidos"

"Não Somos Bandidos"
A vida diária de uma guerrilha de direita: a Renamo na época do Acordo de Nkomati (1983-1985)
Autor(es): 
Categoria: 
ISBN: 
978-972-671-542-9
Idioma: 
Português
Data de publicação: 
2019/Dec
Dimensão: 
23x15
Nº Páginas: 
398
Coleção: 
Colecção Geral
Formato: 
Capa Mole
25,00 €22,50 €

Em 28 de agosto de 1985, o quartel-general da Resistência Nacional de Moçambique (Renamo) situado na Casa Banana foi atacado pelas forças zimbabweanas e moçambicanas. Parte dos seus arquivos fora apreendida. Nestes, havia a copia manuscrita de milhares de mensagens rádio, decifradas, entre o Estado-Maior General da guerrilha e os grupos locais. Michel Cahen pôde estudar 3401 dessas mensagens datadas de 1983 a 1985. Isso forneceu informações sobre os mais variados aspetos da vida diária desta «guerrilha de direita»: implantações, estruturação e equipamento militar, hierarquia, natureza e duração dos combates, «batalha para a população» pelos dois campos, recrutamentos, deserções, baixas,  centralização das mercadorias e repressão do mercado negro dentro da guerrilha, escolas e hospitais em zona da Renamo, bruxaria, relações com os civis e com as milícias (mudjibas), relações sexuais, psicologia dos combatentes, etc. É a primeira vez que a Renamo pôde ser estudada com base em documentos internos.

 

Abreviaturas p. 17
Introdução p. 21
Capítulo 1 - O período do Acordo de Nkomati p. 35
Capítulo 2 - A geografia militar da Renamo p. 45
Capítulo 3 - A subida para o Norte  p. 51
Capítulo 4- A batalha política no imediato pós-Nkomati p. 77
Capítulo 5- «Libertar as populações indefesas», destruir as aldeias comunais p. 91
Capítulo 6 - A «nossa população», as «nossas zonas» p. 117
Capítulo 7 - A Frelimo frente à população da Renamo p. 131
Capítulo 8 - A Renamo frente à «população do inimigo» p. 141
Capítulo 9 - A batalha pela alimentação p. 167
Capítulo 10 - A organização e a vida militar p. 181
Capítulo 11 - Os «diários» das regiões militares p. 227
Capítulo 12 - A batalha pelo abastecimento e a gestão do armamento p. 271
Capítulo 13 - A centralização dos bens materiais e a repressão do mercado negro p. 297
Capítulo 14 - A questão urbana p. 309
Capítulo 15 - Escolarização e saúde nas zonas da Renamo p. 319
Capítulo 16 - O «problema das mulheres» p. 327
Capítulo 17 - A guerrilha burocrática p. 351
Conclusão - O inimigo como modelo p. 355
Anexo - Dispositivo militar regional da Renamo em 1984-1985 p. 363

 

Michel Cahen é investigador sénior do CNRS no centro «Les Afriques dans le monde» (Sciences Po Bordeaux) e membro associado da Casa de Velázquez (Madrid). Foi investigador visitante no ICS em 2015-2017. Historiador, é especialista em colonização portuguesa contemporânea em África e analista político dos atuais países africanos de língua oficial portuguesa e da «lusotopia» em geral (isto é, para além da «lusofonia»). Além destes temas, interessa-se também pelas problemáticas do fascismo e colonialismo, marxismo e nacionalismo, etnicidade e democracia política, subalternidade e colonialidade,  racismo e lusotropicalismo.  O seu próximo livro será Provincialiser la Caraïbe, en finir avec la «créolisation», 2020.

Recensão de Marçal de Menezes Paredes. In H-LusoAfrica, H-Net Reviews. October, 2020. URL: https://www.h-net.org/reviews/showrev.php?id=55769