Marcas que Demarcam

Marcas que Demarcam
Tatuagem, Bodypiercing e Culturas Juvenis
Categoria: 
ISBN: 
978-972-671-217-6
Idioma: 
Português
Data de publicação: 
2009/Feb
Dimensão: 
14x22
Nº Páginas: 
343
Coleção: 
Colecção Geral
Formato: 
Capa Mole
22,00 €19,80 €

A difusão da tatuagem e do body piercing tem sido visível em Portugal, nomeadamente entre as gerações mais jovens. Não sendo recente, o culto destas formas de expressão corporal tem merecido, ao longo do tempo, mais atenção da psicologia ou da psiquiatria do que da sociologia. “Marcos que Demarcam” propõe-se então compreender e interpretar sociologicamente os sentidos que os jovens de hoje investem na modificação do corpo através da tatuagem e do body piercing, deslindando o papel destes recursos na produção e manutenção de identidades a sociabilidades. Simultaneamente, caracteriza as condições sociais de produção de corpos extensivamente marcados a analisa os efeitos da sua assunção publica numa sociedade que exige um elevado grau de plasticidade identitária a de maleabilidade corporal dos seus actores a que, por consequência, vive com alguma relutância e preconceito a modificação corporal mais perene, em particular a que revisita e evoca figuras corporais histórica a socialmente estigmatizadas.

 

Introdução p.17
Capítulo 1 - Marcas que sempre demarcaram: uma sociogénese das práticas de marcação corporal p.33
Capítulo 2 - Da «experiência» ao «vício»: a construção de um projecto de marcação corporal  p.59
Capítulo 3 - Joalharia exclusiva, permanente e invasiva: a expressão corporal de uma estética da divergência  p.95
Capítulo 4 - Marcar a diferença: a expressão corporal de uma identidade autobiográfica p.119
Capítulo 5 - Do acto de rebeldia ao estilo de vida escapatório: a expressão corporal de uma política de dissidência p.177
Capítulo 6 - Entre «nós» e «os outros»: expressões sociais da intercorporalidade marcada  p.227
Conclusão: estruturas de sentido e processos de produção social da corporeidade marcada  p.273
Referências bibliográficas  p.309
Índice remissivo  p.331

 

Vítor Sérgio Ferreira, sociólogo e investigador auxiliar no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, onde cocoordena o Observatório Permanente da Juventude. As suas principais áreas de investigação são sociologia da juventude: identidades e culturas juvenis; transições para a idade adulta e percursos de vida; escola, empregabilidade e trabalho; gerações e valores; práticas e estilos de vida; Sociologia do Corpo: atitudes perante o corpo; práticas de manutenção e modificação corporal; culturas somáticas; Sociologia da Cultura: mediadores culturais; artistas e criadores; criatividade; práticas culturais; Métodos Qualitativos: técnicas de entrevista; grupos de discussão; análise de conteúdo, MAXQDA, biografia e retratos sociológicos.

Recensão de Ricardo Campos na revista Análise Social (2011), XLVI (1.º), 198, pp. 184-188.

Recensão de Celso de Brito, revista Mediações, Londrina (2011), 16 (1), pp. 345-348. DOI: 10.5433/2176-6665.2011v16n1p345