Antologia Sociológica

Antologia Sociológica
Selecção e Prefácio de Maria Filomena Mónica
Categoria: 
ISBN: 
978-972-671-063-4
Idioma: 
Português
Data de publicação: 
2014/Sep
Dimensão: 
23x15
Nº Páginas: 
398
Coleção: 
Colecção Geral
Formato: 
Capa Mole
21,00 €18,90 €

Com esta  Antologia Sociológica, a Imprensa de Ciências Sociais pretende recordar e prestar homenagem a  Adérito Sedas Nunes, sociólogo, professor, fundador do ICS e da revista Análise Social. Verdadeiro pioneiro, em Portugal, dos estudos sociológicos contemporâneos numa época em que até o nome da disciplina era  banido, Sedas Nunes foi um dos mais lúcidos espíritos da academia portuguesa do seu tempo. As suas atentas observações da sociedade ainda hoje valem pelo rigor e pela riqueza das suas análises. Esta antologia inclui uma selecção de artigos publicados na Análise Social, a sua revista.

 

Apresentação p.17
Prefácio p.19
Capítulo 1 - Portugal, sociedade dualista em evolução p.31
Capítulo 2 - A população universitária portuguesa: uma análise preliminar p.87
Capítulo 3 - O sistema universitário em Portugal: alguns mecanismos, efeitos e perspectivas do seu funcionamento p.169
Capítulo 4 - A universidade no sistema social português – uma primeira abordagem p.251
Capítulo 5 - Histórias, uma história e a História – sobre as origens das modernas ciências sociais em Portugal p.309
Breve nota biográfica p.367

 

Adérito de Oliveira Sedas Nunes (Lisboa, 1928 – Id. 1991) licenciou-se em economia pelo Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras (ISCEF), em 1951, ingressando pouco depois no Gabinete de Estudos Corporativistas. Membro e presidente da Juventude Universitária Católica foi bolseiro do Instituto de Alta Cultura em duas ocasiões consecutivas (1953/56; 1959/62), bem como do Serviço de Ciência da Fundação Calouste Gulbenkian, entre 1963 e 1964. Foi assistente de economia, história económica e sociologia, no ISCEF, professor catedrático do Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE), desde 1973, subdirector e presidente do Conselho Diretivo deste último Instituto, em 1974.

Na qualidade de funcionário do Ministério das Corporações e Previdência Social, participou nos trabalhos preparatórios do IIº Plano de Fomento (1959-1964), como antes tinha participado em trabalhos ligados ao recenseamento de profissões, à saúde, previdência e serviços sociais.

Exerceu também funções docentes na Academia Militar, bem como no Instituto de Estudos Sociais, extinto em 1972, para dar lugar ao ISCTE. No processo de refundação das duas instituições colaborou ativamente, bem assim na concepção do plano de estudos de uma licenciatura em Ciências do Trabalho oferecida por esta última instituição.

Sedas Nunes foi grande impulsionador e colaborador da revista Análise Social, órgão do Gabinete de Investigações Sociais (GIS), criado no ISCEF em 1963, Gabinete de que foi igualmente membro e subdirector (1965). Nas páginas desse periódico trimestral deixou inúmeros textos de reflexão, tendo assumido, a partir de 1972, com o lançamento da segunda série, o cargo de subdirector e membro do Secretariado de redação e depois, a partir de 1977, o de diretor.

Em 1982, e partindo do núcleo do antigo GIS, funda o Instituto de Ciências Sociais (ICS) da Universidade de Lisboa, de que foi investigador coordenador e diretor até à sua morte em 1991.