Tornando profissões de sonho realidade: Transições para novos mundos profissionais atractivos aos jovens

Tornando profissões de sonho realidade: Transições para novos mundos profissionais atractivos aos jovens

As dificuldades com que os jovens hoje se debatem nas suas transições para a vida adulta em geral, e no seu processo de transição para o trabalho em particular, têm tornado esta categoria social num alvo privilegiado de políticas públicas, bem como num dos mais produtivos objetos de estudo da sociologia contemporânea. Num contexto de flexibilização e volatilidade dos mercados de trabalho e de precarização da relação salarial, os jovens são hoje obrigados a lidar com a insegurança e a polivalência que crescentemente pontuam as suas transições para o mundo do trabalho. O valor do trabalho, contudo, não deixou de ser central na vida dos jovens. Não só continua a ter centralidade, como as suas atitudes perante esta dimensão da vida são mais exigentes, ambicionando no trabalho a combinação ideal de valores extrínsecos (como a segurança e remuneração) com valores intrínsecos (como a realização pessoal e o interesse pela tarefa). Ambição cuja realização, até recentemente, estava sobretudo associada ao exercício de profissões de prestígio sancionadas por diplomas escolares, como médico, advogado, engenheiro ou arquiteto. As profissões sonhadas tendiam a implicar a mediação seletiva da formação superior. No contexto atual, as promessas da universidade que informavam tais sonhos (segurança, estabilidade, emprego, estatuto social, etc.) têm sido colocadas em causa. O diploma já não garante a entrada e progressão numa carreira, sequer um emprego coerente com a formação que certifica. No atual contexto de crise da escola e de incerteza laboral, as promessas académicas concorrem com promessas mediadas por outros contextos sociais, como os media e as próprias culturas juvenis. As profissões de sonho juvenis já não passam obrigatoriamente por carreiras consagradas no ensino formal. Outro tipo de atividades e ocupações têm integrado as expectativas profissionais de cada vez mais jovens, promovendo a sua incursão em novos territórios educativos e laborais, bem como o ensaio de novas formas de viver as transições para a vida adulta que necessitam ser mais estudados.

 

 

Estatuto: 
Entidade proponente
Financiado: 
Sim
Entidades: 
Fundação para a Ciência e Tecnologia
Keywords: 

Transições juvenis, Contextos de aprendizagem, Atitudes perante o trabalho, Culturas e identidades

As dificuldades com que os jovens hoje se debatem nas suas transições para a vida adulta em geral, e no seu processo de transição para o trabalho em particular, têm tornado esta categoria social num alvo privilegiado de políticas públicas, bem como num dos mais produtivos objetos de estudo da sociologia contemporânea. Num contexto de flexibilização e volatilidade dos mercados de trabalho e de precarização da relação salarial, os jovens são hoje obrigados a lidar com a insegurança e a polivalência que crescentemente pontuam as suas transições para o mundo do trabalho. O valor do trabalho, contudo, não deixou de ser central na vida dos jovens. Não só continua a ter centralidade, como as suas atitudes perante esta dimensão da vida são mais exigentes, ambicionando no trabalho a combinação ideal de valores extrínsecos (como a segurança e remuneração) com valores intrínsecos (como a realização pessoal e o interesse pela tarefa). Ambição cuja realização, até recentemente, estava sobretudo associada ao exercício de profissões de prestígio sancionadas por diplomas escolares, como médico, advogado, engenheiro ou arquiteto. As profissões sonhadas tendiam a implicar a mediação seletiva da formação superior. No contexto atual, as promessas da universidade que informavam tais sonhos (segurança, estabilidade, emprego, estatuto social, etc.) têm sido colocadas em causa. O diploma já não garante a entrada e progressão numa carreira, sequer um emprego coerente com a formação que certifica. No atual contexto de crise da escola e de incerteza laboral, as promessas académicas concorrem com promessas mediadas por outros contextos sociais, como os media e as próprias culturas juvenis. As profissões de sonho juvenis já não passam obrigatoriamente por carreiras consagradas no ensino formal. Outro tipo de atividades e ocupações têm integrado as expectativas profissionais de cada vez mais jovens, promovendo a sua incursão em novos territórios educativos e laborais, bem como o ensaio de novas formas de viver as transições para a vida adulta que necessitam ser mais estudados.

 

 

Objectivos: 
Ao explorar uma área de investigação sociológica praticamente virgem a nível nacional e internacional, este projeto visa dar conta de aspirações, projetos e trajetos de inserção profissional em áreas de atividade hoje bastante atrativas para as novas gerações, mas ainda pouco institucionalizadas quanto aos recursos e percursos de profissionalização prescritos: a moda, a música de dança, o desporto e a gastronomia. Em termos de universos observáveis, a análise focar-se-á em ocupações recentes em Portugal, como ser modelo ou disc jockey (DJ), e em profissões objeto de acentuados processos de revalorização simbólica e de reconfiguração social, como ser futebolista ou cozinheiro (na versão chef). A pesquisa tem como questão central saber que configurações objetivas e subjetivas assumem os percursos de transição para o mundo do trabalho dos jovens no âmbito destas novas profissões de sonho. As configurações objetivas remetem para a identificação dos itinerários, das condições de socialização e dos recursos mobilizados (sociais, materiais e simbólicos) no acesso ao exercício destas atividades; as configurações subjetivas remetem para os quadros simbólicos (aspirações, expectativas e valores do trabalho) subjacentes à produção do sonho de ser alguém nestas atividades e à sua concretização num projeto e num trajeto.
State of the art: 
Over the last few years, transitions from school to work have acquired an increasing expression in the European and Portuguese sociological research. These studies have especially focused on the relationships between formal school (more massified and democratised), the social value of diplomas that it provides (that some estimate as in decrease), and the adequacy of academically certified qualifications in the current labour market (more segmented, constricted, and flexible). Two youth populations have been the growing target of these studies: low educated young people, namely the ones dropping out school without completing compulsory education; and the higher educated young people, whose integration in the labour market has become increasingly difficult. If many of these studies approached youth population in a transversal way, others have been focusing on transitions to work of</p><p>specific professional segments. These often cover traditional dream professions, with a high prestige heritage, certified by higher education and strongly regulated by formal institutions: being a lawyer, an architect , an engineer or an artist, professional activities in which transitions from school to work have already been extensively studied in Portugal. However, the previous virtuous relationship between the type and level of education, profession, remuneration and social status is no longer certain, a presumed reality that young people and their families are increasingly aware of. This context, related with deep transformations in the labour market, gives good reason for the decrease of the optimistic demand concerning formal education, as well as for some dissatisfaction with the more normative pathways that shape transitions from school to work. This set of conditions lead some young people to look for alternative options and pathways regarding school and work. At the same time, other extra-school training contexts have been increasingly emerging to meet the accomplishment of new dreams, aspirations, and youth expectations, sometimes at high prices, where private institutions are concerned. In fact, public, modern and formal school is not always open to all young people's professional ambitions, giving rise to post-school or parallel socialization processes, within specific social contexts (non formal or informal) created for young people or produced by themselves, within the scope of their youth cultures. This is the case of schools or academies that offer modelling, football, DJ'ing or cooking courses in Portugal. Spread across the country, but mainly concentrated in its main cities, they try to respond to the training solicitation (more than qualification) of young people involved in these activities. At the base of this solicitation is the fact that these activities have recently been subjected to a set of social reconfigurations and of symbolic (re)valorisations: - professionalization, that is, the process of progressive professional institutionalization as opposed to amateur forms of performance, through the constitution of professional associations, the organization of common events for professionals, and the claiming for legal regulation and codes of conduct; - criativization, that is, the process of displacement of a mostly technical and practical discourse informing the practices of professionals, to a discourse of innovation and authorship, with the subsequent expansion and multiplication of ways of doing differently these same practices; - idealization, that is, the process that systematically associates these activities to certain values such as success, fame, creativity, autonomy and self-expression, as well as to certain lifestyles characterized by glamour, celebrity and cosmopolitism; - mediatization, that is, the process of intense public exposure of these professional activities and some of its actors, daily mediatised in magazines, TV programs and contests. Despite being expected specific interactions and transactions in each one of the activities under study, this set of processes have redefined and promoted the status of each activity within the hierarchy of social and symbolic legitimization of occupations (fact that can be observed, for example, in the recent change of place of these occupations in the International Standard Classification of Occupations 2008, that will be obligatorily used in the 2011 Census). In Portugal, if until recently football playing or cooking were only modest m&eacute;tiers, or DJ'ing and modelling were not promising jobs, nowadays all of these occupations are perceived as successful professions, taking part of the professional horizons of an increasing number of young people - even if with different possibilities of achievement, depending on diverse social conditions background. In a context of decreasing social value of diplomas and of the working conditions they can provide, these activities are perceived as areas with symbolic status. While in other professional activities youth labour force has only access to marginal positions, within the scope of the activities that we intend to analyse the youth labour force and the young body are hyper-valued, being the youth condition itself, namely its corporal condition, a privileged capital. The main aim of the project is to know how those structural processes have been reflected on the pathways and on the subjectivities of some youth segments, namely regarding their professional dimension. Which meanings are attributed to the scope of activities under analysis by young people that intend to pursue them professionally? What role these meanings play in the construction of youth identities? How are the processes of transitions to work in each of those activities set? Which effects the choice of becoming a professional in one of these activities has regarding transition to adulthood, and in the several dimensions of young people's lives (family, school, social)?
Parceria: 
Não Integrado
João Sedas Nunes
Luís Miguel de Almeida Chaves
Maria João Taborda
Coordenador 
Data Inicio: 
01/03/2012
Data Fim: 
28/02/2015
Concluído