Reconhecer o Cristianismo: como os imigrantes africanos reconfiguraram a herança religiosa europeia

Reconhecer o Cristianismo: como os imigrantes africanos reconfiguraram a herança religiosa europeia

Através de uma análise etnográfica das "políticas de reconhecimento", isto é, da maneira como as igrejas procuram o reconhecimento e interagem com o cristianismo hegemónico, este projecto explora o papel da religião nas diásporas africanas e a sua contribuição para a reconfiguração da herança religiosa europeia, a sua influência nas identidades nacionais e regionais no continente, e a forma como se estabelecem ligações tanto entre a Europa e África como dentro do território europeu.

Propomos aqui uma comparação entre três contextos nacionais com uma importante presença africana (Portugal, Reino Unido, Holanda), cada um com o seu passado colonial e tradições cristãs. Propomos as seguintes linhas de pesquisa:

  • Religião como recurso.
  • Religião como espaço de formação identitária.
  • Interacções.
  • As políticas de encontros e reconhecimentos religiosos.
  • Religião, memória e identidade.
  • Novas exclusões e inclusões no seio das igrejas .

Para responder a estas questões, propomos os seguintes casos de estudos: as igrejas Kimbanguista e Tocoista em Lisboa, e a sua relação com as comunidades católicas; a congregação da Celestial Church of Christ em Amesterdão, e a Redeemed Christian Church of God em Londres. Estes estudos de caso serão colocados em diálogo, de forma a poder construir um enquadramento empírico que fornecerá uma base comparativa para uma discussão teórica comum.

Estatuto: 
Entidade proponente
Financiado: 
Não

Através de uma análise etnográfica das "políticas de reconhecimento", isto é, da maneira como as igrejas procuram o reconhecimento e interagem com o cristianismo hegemónico, este projecto explora o papel da religião nas diásporas africanas e a sua contribuição para a reconfiguração da herança religiosa europeia, a sua influência nas identidades nacionais e regionais no continente, e a forma como se estabelecem ligações tanto entre a Europa e África como dentro do território europeu.

Propomos aqui uma comparação entre três contextos nacionais com uma importante presença africana (Portugal, Reino Unido, Holanda), cada um com o seu passado colonial e tradições cristãs. Propomos as seguintes linhas de pesquisa:

  • Religião como recurso.
  • Religião como espaço de formação identitária.
  • Interacções.
  • As políticas de encontros e reconhecimentos religiosos.
  • Religião, memória e identidade.
  • Novas exclusões e inclusões no seio das igrejas .

Para responder a estas questões, propomos os seguintes casos de estudos: as igrejas Kimbanguista e Tocoista em Lisboa, e a sua relação com as comunidades católicas; a congregação da Celestial Church of Christ em Amesterdão, e a Redeemed Christian Church of God em Londres. Estes estudos de caso serão colocados em diálogo, de forma a poder construir um enquadramento empírico que fornecerá uma base comparativa para uma discussão teórica comum.

Objectivos: 
 Como é que a religião serve de recurso para o <em>empowerment</em> social e spiritual dos migrantes cristãos africanos nas sociedades europeias no que se refere à cidadania, participação civil e acção social?<br /><br />Que tipo de formações identitárias se desenvolvem entre os migrantes cristãos africanos, e quais as suas relações com os processos de <em>empowerment</em> acima mencionados?<br /><br />Como interagem os migrantes africanos e as sociedades acolhedoras, em particular as igrejas "Europeias" no que diz respeito às "políticas de reconhecimento" e "políticas culturais"?<br /><br />Qual é o lugar da religião na interacção entre a migração africana e a questão do género?
Parceria: 
Não Integrado
Simon M. Coleman
Fátima Viegas
Martha Frederiks
Nienke Pruiksma
Rijk van Dijk
Kristine Krause
Coordenador 
Data Inicio: 
03/09/2008
Data Fim: 
03/10/2010
Duração: 
25 meses
Concluído