Os contextos do comportamento político: escolhas eleitorais e atitudes políticas em Portugal

Os contextos do comportamento político: escolhas eleitorais e atitudes políticas em Portugal

Este projecto tem o propósito de dar continuidade a uma experiencia anterior de recolha de dados sobre o comportamento eleitoral e as atitudes políticas em Portugal, introduzindo uma inovação crucial: um inquérito com painel a longo prazo, que permite que a mesma amostra representativa do eleitorado é inquirida em diferentes momentos do ciclo eleitoral. Os dados assim gerados irão possibilitar, pela primeira vez, que os membros da equipa de investigação (e, no futuro, outros investigadores) examinem padrões de continuidade e mudança no eleitorado português, ao nível individual e no contexto de diferentes tipos de eleições. Em termos teóricos, estamos interessados em examinar o papel das "influências contextuais" nas atitudes e comportamento, pelo que será analisada a influência de diferentes contextos: as diversas fontes interpessoais e impessoais de informação a que os votantes recorrem; os diferentes enquadramentos institucionais da competição política e do policy making envolvidos em cada eleição concreta; e o contexto político e eleitoral mais imediato em que cada eleição ocorre.

Estatuto: 
Entidade participante
Financiado: 
Não
Rede: 
CSES/CNEP
Keywords: 

Comportamento Eleitoral
Cultura Política
Análise Contextual

Este projecto tem o propósito de dar continuidade a uma experiencia anterior de recolha de dados sobre o comportamento eleitoral e as atitudes políticas em Portugal, introduzindo uma inovação crucial: um inquérito com painel a longo prazo, que permite que a mesma amostra representativa do eleitorado é inquirida em diferentes momentos do ciclo eleitoral. Os dados assim gerados irão possibilitar, pela primeira vez, que os membros da equipa de investigação (e, no futuro, outros investigadores) examinem padrões de continuidade e mudança no eleitorado português, ao nível individual e no contexto de diferentes tipos de eleições. Em termos teóricos, estamos interessados em examinar o papel das "influências contextuais" nas atitudes e comportamento, pelo que será analisada a influência de diferentes contextos: as diversas fontes interpessoais e impessoais de informação a que os votantes recorrem; os diferentes enquadramentos institucionais da competição política e do policy making envolvidos em cada eleição concreta; e o contexto político e eleitoral mais imediato em que cada eleição ocorre.

Objectivos: 
<p>O projecto pretende dar continuidade a uma experiência anterior de recolha de dados sobre o comportamento eleitoral e as atitudes políticas em Portugal, introduzindo uma inovação crucial: um inquérito com painel a longo prazo, que permite que a mesma amostra representativa do eleitorado seja inquirida em diferentes momentos do ciclo eleitoral. Os dados assim gerados irão possibilitar, pela 1ª vez, que os membros da equipa de investigação examinem padrões de continuidade e mudança no eleitorado português, ao nível individual e no contexto de diferentes tipos de eleições. Teoricamente, pretende-se examinar o papel das "influências contextuais" nas atitudes e comportamento, analisando a influência de diferentes contextos: as diversas fontes interpessoais e impessoais de informação a que os votantes recorrem; os diferentes enquadramentos institucionais da competição política e do policy making envolvidos em cada eleição concreta; e o contexto político e eleitoral em que cada eleição ocorre.</p>
State of the art: 
O estudo do comportamento eleitoral e da cultura pol&iacute;tica em Portugal recebeu, nos anos recentes, um consider&aacute;vel avan&ccedil;o, em resultado do projecto de investiga&ccedil;&atilde;o &quot;Comportamento Eleitoral e Atitudes Pol&iacute;ticas dos Portugueses&quot;, do Instituto de Ci&ecirc;ncias Sociais da Universidade de Lisboa (ICS). Do ponto de vista da recolha de dados, o projecto almejou fazer uma compila&ccedil;&atilde;o dos dados dos poucos inqu&eacute;ritos relevantes realizados em Portugal deste 1975, mas tamb&eacute;m levar a cabo o primeiro inqu&eacute;rito p&oacute;s-eleitoral acad&eacute;mico, planeado especificamente para integrar Portugal na tradi&ccedil;&atilde;o cient&iacute;fica dos &quot;estudos eleitorais nacionais&quot; iniciada pelos American National Election Studies (ANES). De um ponto de vista te&oacute;rico, o objectivo do projecto era o de determinar at&eacute; que ponto o caso portugu&ecirc;s se enquadra em duas tend&ecirc;ncias gerais encontradas na maior parte das democracias industrializadas: o aumento da relev&acirc;ncia dos factores de curto prazo na escolha de voto, em detrimento de outros factores, de &laquo;longo prazo&raquo;, como a classe social, a religiosidade, a sindicaliza&ccedil;&atilde;o e a identifica&ccedil;&atilde;o partid&aacute;ria; e um crescente &laquo;mal-estar&raquo;<em> </em>pol&iacute;tico, que se manifesta em sentimentos de desconfian&ccedil;a, &laquo;desafei&ccedil;&atilde;o&raquo; e descontentamento em rela&ccedil;&atilde;o &agrave; pol&iacute;tica em geral, &agrave;s institui&ccedil;&otilde;es e aos detentores de cargos pol&iacute;ticos. Deste projecto de investiga&ccedil;&atilde;o emergiram v&aacute;rias descobertas bastante relevantes. Portugal &eacute; um caso em que as ra&iacute;zes sociais das afinidades partid&aacute;rias s&atilde;o especialmente t&eacute;nues, mesmo em compara&ccedil;&atilde;o com outras democracias do Sul da Europa. Para al&eacute;m disso, as avalia&ccedil;&otilde;es dos l&iacute;deres partid&aacute;rios e a simpatia pelos mesmos foram - possivelmente mais do que em quaisquer outras elei&ccedil;&otilde;es anteriores para as quais existem dados - os elementos cruciais nas considera&ccedil;&otilde;es dos eleitores ao decidirem sobre o partido em que iriam votar. No entanto, a an&aacute;lise comparativa tamb&eacute;m sugere que os factores relacionados com a &laquo;oferta pol&iacute;tica&raquo; - tipos de partidos no sistema eleitoral e o seu n&iacute;vel de polariza&ccedil;&atilde;o ideol&oacute;gica - acrescentam nuances importantes ao padr&atilde;o de relativa volatilidade do eleitorado portugu&ecirc;s em 2002. Por um lado, nem todos os partidos s&atilde;o igualmente escolhidos pelos eleitores com base na avalia&ccedil;&atilde;o da lideran&ccedil;a e da economia, existindo varia&ccedil;&otilde;es claras devidas aos programas ideol&oacute;gicos e &agrave;s estrat&eacute;gias e objectivos eleitorais dos partidos. Por outro lado, o n&iacute;vel de ancoragem em orienta&ccedil;&otilde;es ideol&oacute;gicas est&aacute;veis e coerentes varia, ao longo do tempo e em v&aacute;rios pa&iacute;ses, de acordo com o grau em que os partidos constituem alternativas pol&iacute;ticas coerentes aos eleitores. Tamb&eacute;m se chegou a conclus&otilde;es importantes no que diz respeito aos sintomas e manifesta&ccedil;&otilde;es de &laquo;mal-estar&raquo; pol&iacute;tico no Portugal contempor&acirc;neo. Este mal-estar n&atilde;o parece envolver qualquer esp&eacute;cie de deslegitimiza&ccedil;&atilde;o do regime democr&aacute;tico ou das suas institui&ccedil;&otilde;es. Em vez disso, parece ser formado por sentimentos de forte &laquo;desafei&ccedil;ao&raquo; pol&iacute;tica - entendida como sentimento de dist&acirc;ncia e de desinteresse m&uacute;tuo entre o mundo pol&iacute;tico e os cidad&atilde;os - prevalente em grande parte do eleitorado, particularmente entre as mulheres. Isto, por sua vez, parece estar relacionado com os n&iacute;veis particularmente baixos de activismo pol&iacute;tico e c&iacute;vico entre os cidad&atilde;os portugueses. No entanto, e mais uma vez, esta conclus&atilde;o geral coexiste com resultados preliminares que mostram como os n&iacute;veis de desafei&ccedil;&atilde;o parecem estar a decrescer, fen&oacute;meno relacionado com a experi&ecirc;ncia de regime democr&aacute;tico e o aumento dos recursos educacionais.
André Freire
Michael Baum
Ana Espírito-Santo
Carlos Jalali
Coordenador 
Data Inicio: 
30/05/2006
Data Fim: 
01/12/2009
Duração: 
43 meses
Concluído