O catolicismo português: uma expressão sócio-cultural muito específica

O catolicismo português: uma expressão sócio-cultural muito específica

O projecto «O catolicismo português: uma expressão sócio-cultural muito específica» é uma tentativa de entender uma cultura e sociedade europeias através da sua singular história religiosa. Trata-se de construir um retrato da sociedade portuguesa a partir das suas particularidades religiosas, consideradas histórica e contemporaneamente.

A investigação é destinada em primeiro lugar a um público estrangeiro e devia assim conduzir a uma identificação e entendimento mais nítidos de uma cultura particular com as suas qualidades próprias. A base do estudo parte do princípio de que a civilização europeia tem a sua origem principalmente nas tradições greco-romanas e judaico-cristãs, embora as culturas individuais tenham crescido através de uma história muito própria e de significativos contactos, encontros, fusões e colisões culturais, formando assim uma consciência colectiva muito particular que não se deixa modificar nem transmitir. Só uma acentuação clara destas relações de interdependência oferece a possibilidade de encontrar e pronunciar as singularidades sociais e culturais existentes na civilização europeia. O projecto pretende principalmente pensar o catolicismo português como uma expressão sócio-cultural, ou seja independentemente das suas instituições eclesiásticas. Este método tem a vantagem de entender a forma como uma sociedade tradicionalmente católica reage perante estas transformações na vida humana que foram nas últimas décadas designadas especialmente pelos conceitos «secularização» e «globalização». O projecto será realizado com os métodos e instrumentos da ciência comparada das religiões, e especialmente através da sociologia da religião. O objectivo futuro para o projecto será a integração num provável projecto transnacional como «Studies in the History of Mediterranean Religions».

Estatuto: 
Entidade proponente
Financiado: 
Não
Keywords: 

ciência das religiões

O projecto «O catolicismo português: uma expressão sócio-cultural muito específica» é uma tentativa de entender uma cultura e sociedade europeias através da sua singular história religiosa. Trata-se de construir um retrato da sociedade portuguesa a partir das suas particularidades religiosas, consideradas histórica e contemporaneamente.

A investigação é destinada em primeiro lugar a um público estrangeiro e devia assim conduzir a uma identificação e entendimento mais nítidos de uma cultura particular com as suas qualidades próprias. A base do estudo parte do princípio de que a civilização europeia tem a sua origem principalmente nas tradições greco-romanas e judaico-cristãs, embora as culturas individuais tenham crescido através de uma história muito própria e de significativos contactos, encontros, fusões e colisões culturais, formando assim uma consciência colectiva muito particular que não se deixa modificar nem transmitir. Só uma acentuação clara destas relações de interdependência oferece a possibilidade de encontrar e pronunciar as singularidades sociais e culturais existentes na civilização europeia. O projecto pretende principalmente pensar o catolicismo português como uma expressão sócio-cultural, ou seja independentemente das suas instituições eclesiásticas. Este método tem a vantagem de entender a forma como uma sociedade tradicionalmente católica reage perante estas transformações na vida humana que foram nas últimas décadas designadas especialmente pelos conceitos «secularização» e «globalização». O projecto será realizado com os métodos e instrumentos da ciência comparada das religiões, e especialmente através da sociologia da religião. O objectivo futuro para o projecto será a integração num provável projecto transnacional como «Studies in the History of Mediterranean Religions».

Objectivos: 
Este projecto da investigação baseia-se na hipótese a partir da qual um sistema social pode ser considerada como uma construção histórica que está articulada, estruturada e reproduzida através de diferentes expressões sócio-culturais. Uma destas expressões sócio-culturais de uma sociedade é o mundo religioso da mesma. Desta maneira, a religião encontra-se numa relação estreita com as diferentes (sub-)sistemas sociais; uma religião não representa apenas uma grande parte da construção social, ela também desenha a mesma. E embora vivamos numa altura cada vez mais pluralista na qual as instituições eclesiásticas deixaram de ser negativa ou positivamente uma instância normativa, a religião continua a fazer parte do aparato explicativo de uma sociedade. Os vários efeitos de um sistema religioso sobre estruturas sociais sublinham, hoje como antes, a relevância ética e funcional das tradições e movimentos religiosos dentro de uma sociedade. Tendo em conta que a realidade religiosa em Europa sofreu transformações profundas nas últimas décadas, o projecto tem por primeiro objectivo de estabelecer uma sólida base teórica que ajudará entender relação dialéctica entre religião e sistema social no nosso mundo contemporâneo. Neste sentido poderíamos observar que as actuais transformações na paisagem religiosa reflectem o carácter mutável ou dinâmico das sociedades modernas, e vice-versa.
State of the art: 
O projecto insere-se na Ciência da Religião, e nomeadamente na Sociologia e História da Religião. A sociologia da religião nasceu principalmente na viragem do século XIX para o século XX e reconhece os seus clássicos especialmente em Max Weber, Émile Durkheim e Georg Simmel (foi Simmel que pronunciou pela primeira vez em 1906 no seu texto Die Religion o conceito ?sociologia da religião?). Para a clássica sociologia da religião, uma sociedade é um encadeamento histórico de determinadas circunstâncias culturais e religiosas (económicas) estreitamente ligadas à conduta da vida. Na observação deste complexo de relações, é possível encontrar uma realidade histórica que corresponde a um Tudo sob o ponto de vista de um certo significado cultural. Para além dos factores ou influências geográficos, a vida de uma sociedade é directa ou indirectamente determinada pela doutrina ética do complexo religioso desse mesmo conjunto social. Estes fundamentos teóricos, estabelecidos especialmente por Weber e Durkheim, foram nos anos 70 actualizados ou pelos menos retomados pelo sociólogo Thomas Luckmann (The Invisible Religion) que adaptou as ideias dos dois clássicos da sociologia a uma sociedade moderna, sublinhando mais o papel do sujeito dentro de uma sociedade e a relação dialéctica entre sistema religioso e sociedade. Uma sociedade moderna não sofre apenas mudanças enormes e rápidas, o indivíduo contemporâneo é também autónomo ou plenamente livre das estruturas oficiais. Nas suas pesquisas, Luckmann refutou a tese a partir da qual se defende que a religião é um fenómeno ultrapassado e sem importância. Não há dúvidas de que nas sociedades modernas as instituições religiosas perdem cada vez mais influência em termos de determinar o rumo de um colectivo social, o que não significa automaticamente um vácuo religioso. A religião continua a fazer parte integrante da condição humana. De uma forma semelhante, Niklas Luhmann sublinhou que a religião é um subsistema importante dentro de uma sociedade e continua a sê-lo enquanto renuncia ou desiste de um ?social control?. Ainda mais recentemente, o filósofo canadiano Charles Taylor (Religion today, 2000) chamou a atenção para a possibilidade de explicar tendências políticas e económicas de uma sociedade através da sua situação religiosa. Assim, Taylor observou especialmente nos Estados Unidos uma situação ?neo-durkheimiana? ao comparar uma inclinação para uma hegemonia política com a pluralidade das denominações protestantes na sociedade americana. Estudei com particular atenção estas teorias actuais dentro da sociologia da religião que foram até agora, curiosamente, raras vezes utilizadas na descrição de uma determinada sociedade. E, quando o foram, quase sempre se debruçaram sobre sociedades fora da Europa (por exemplo Gephart et al; Religion und Identität, 1999). Com a aplicação das teorias mais recentes dentro da sociologia da religião na sociedade portuguesa, pretendo preencher uma certa lacuna no mundo académico europeu. Com um domínio seguro das teorias sociológicas mais actuais sobre a religião, sinto-me capaz de construir um retrato fiel de uma das particularidades mais importantes dentro da sociedade portuguesa.
Coordenador 
Data Inicio: 
02/12/2005
Data Fim: 
01/12/2008
Duração: 
36 meses
Concluído