Elites Políticas, Partidos Únicos e Decisão na Era dos Fascismos: Portugal, Espanha, Itália e Alemanha

Elites Políticas, Partidos Únicos e Decisão na Era dos Fascismos: Portugal, Espanha, Itália e Alemanha

O Fascismo Italiano e o Nacional Socialismo Alemão ensaiaram formas de chefia carismática e de totalização do poder político, mais ou menos presentes em outras ditaduras do período. Após a tomada do poder, quer o Partido Fascista quer o Nacional Socialista foram instrumentos poderosos de uma "nova ordem", agentes de uma "administração paralela", e protagonistas de inúmeras tensões no interior destes sistemas políticos ditatoriais. Transformados em partidos únicos, estes arvoraram-se em formadores de uma nova classe dirigente, em agentes de uma nova mediação entre o Estado e a sociedade civil, abrindo uma tensão partido único-Estado. Esta tensão foi responsável pelo aparecimento de novos centros de decisão política que, se por um lado se concentram na chefia de Mussolini ou Hitler, também se afastam do governo e da elite ministerial, por vezes cada vez mais controlados ou secundarizados pelo partido único e pela sua "administração paralela".
O presente projecto pretende estudar e analisar o locus da decisão política, a composição e as vias de recrutamento da elite ministerial das Ditaduras da época do fascismo, em torno de 3 eixos fundamentais: Carisma e decisão política, características da relação entre Ditador e elite ministerial, composição e estrutura desta, vias de recrutamento e papel do Partido único no processo de selecção do governo e no sistema político ditatorial. Particular atenção será dada portanto às relações partido-Ditador-Estado, na selecção e composição política da elite governamental, e ao impacto destas na deslocação do locus de decisão política e no tipo de enquadramento da sociedade civil em cada regime.
Uma segunda dimensão deste estudo, complementar da primeira, refere-se ao grau e extensão da decisão política e governamental na qual este intervém, ou seja à quantidade e qualidade de decisão política do regime que ele centraliza na sua pessoa, que alguns analistas do Nazismo, caracterizaram com a tensão "Ditador forte-Ditador fraco".
As relações do partido único com o Governo, o aparelho de Estado e a sociedade, parecem fundamentais para a compreensão das diferenças de funcionamento das Ditaduras da "época do fascismo". O partido e as suas organização associadas não só foram, em certos casos, um pólo alternativo de enquadramento da sociedade, paralelo às instituições estatais, como tentaram o controle da burocracia e da selecção da elite governamental, forçando alguns ditadores a um equilíbrio instável, ainda que este seja o agente central da carismatização do seu poder. O eixo analítico deste projecto é a graduação desta tensão, ilustrada pela eventual emergência de uma mais fraca ou mais forte «dualidade de poder» que parece ser o factor determinante para explicar as variação que alguns exercícios tipológicos ou de classificação das ditaduras associadas ao fascismo definem como "autoritárias" e "totalitárias" ou "autoritárias" e "fascistas". É nesta perspectiva que serão estudadas quatro Ditaduras associadas ao fascismo europeu: O Salazarismo, o Franquismo, o Fascismo italiano e o Nacional Socialismo alemão.
A investigação empírica do projecto consistirá na recolha e análise de dois tipos de dados: uma base de dados da elite governamental dos quatro regimes, quer em termos sócio-profissionais quer em termos de padrão da carreira política, e fontes primárias relacionadas com a selecção de «case-studies» de processo de decisão em três áreas (política externa, repressão política e relação entre instituições políticas e Estatais). Acreditamos que o resultado irá enriquecer a literatura comparativa sobre as estruturas de poder simultaneamente formal e informal nas ditaduras de entre-guerras.
Todos os membros da equipa de investigação são historiadores e estudantes que trabalham com o tema de investigação proposta. Para além dos objectivos da investigação, este projecto procura também trazer o conhecimento mais avançado da história política comparada às novas gerações de investigadores e estudantes, aproximando-os dos melhores padrões internacionais de História Contemporânea.

Estatuto: 
Entidade proponente
Financiado: 
Não
Keywords: 

Carisma, Fascismo, Processo de Decisão, Elites

O Fascismo Italiano e o Nacional Socialismo Alemão ensaiaram formas de chefia carismática e de totalização do poder político, mais ou menos presentes em outras ditaduras do período. Após a tomada do poder, quer o Partido Fascista quer o Nacional Socialista foram instrumentos poderosos de uma "nova ordem", agentes de uma "administração paralela", e protagonistas de inúmeras tensões no interior destes sistemas políticos ditatoriais. Transformados em partidos únicos, estes arvoraram-se em formadores de uma nova classe dirigente, em agentes de uma nova mediação entre o Estado e a sociedade civil, abrindo uma tensão partido único-Estado. Esta tensão foi responsável pelo aparecimento de novos centros de decisão política que, se por um lado se concentram na chefia de Mussolini ou Hitler, também se afastam do governo e da elite ministerial, por vezes cada vez mais controlados ou secundarizados pelo partido único e pela sua "administração paralela".
O presente projecto pretende estudar e analisar o locus da decisão política, a composição e as vias de recrutamento da elite ministerial das Ditaduras da época do fascismo, em torno de 3 eixos fundamentais: Carisma e decisão política, características da relação entre Ditador e elite ministerial, composição e estrutura desta, vias de recrutamento e papel do Partido único no processo de selecção do governo e no sistema político ditatorial. Particular atenção será dada portanto às relações partido-Ditador-Estado, na selecção e composição política da elite governamental, e ao impacto destas na deslocação do locus de decisão política e no tipo de enquadramento da sociedade civil em cada regime.
Uma segunda dimensão deste estudo, complementar da primeira, refere-se ao grau e extensão da decisão política e governamental na qual este intervém, ou seja à quantidade e qualidade de decisão política do regime que ele centraliza na sua pessoa, que alguns analistas do Nazismo, caracterizaram com a tensão "Ditador forte-Ditador fraco".
As relações do partido único com o Governo, o aparelho de Estado e a sociedade, parecem fundamentais para a compreensão das diferenças de funcionamento das Ditaduras da "época do fascismo". O partido e as suas organização associadas não só foram, em certos casos, um pólo alternativo de enquadramento da sociedade, paralelo às instituições estatais, como tentaram o controle da burocracia e da selecção da elite governamental, forçando alguns ditadores a um equilíbrio instável, ainda que este seja o agente central da carismatização do seu poder. O eixo analítico deste projecto é a graduação desta tensão, ilustrada pela eventual emergência de uma mais fraca ou mais forte «dualidade de poder» que parece ser o factor determinante para explicar as variação que alguns exercícios tipológicos ou de classificação das ditaduras associadas ao fascismo definem como "autoritárias" e "totalitárias" ou "autoritárias" e "fascistas". É nesta perspectiva que serão estudadas quatro Ditaduras associadas ao fascismo europeu: O Salazarismo, o Franquismo, o Fascismo italiano e o Nacional Socialismo alemão.
A investigação empírica do projecto consistirá na recolha e análise de dois tipos de dados: uma base de dados da elite governamental dos quatro regimes, quer em termos sócio-profissionais quer em termos de padrão da carreira política, e fontes primárias relacionadas com a selecção de «case-studies» de processo de decisão em três áreas (política externa, repressão política e relação entre instituições políticas e Estatais). Acreditamos que o resultado irá enriquecer a literatura comparativa sobre as estruturas de poder simultaneamente formal e informal nas ditaduras de entre-guerras.
Todos os membros da equipa de investigação são historiadores e estudantes que trabalham com o tema de investigação proposta. Para além dos objectivos da investigação, este projecto procura também trazer o conhecimento mais avançado da história política comparada às novas gerações de investigadores e estudantes, aproximando-os dos melhores padrões internacionais de História Contemporânea.

Objectivos: 
Este projecto visa determinar a natureza da tomada de decisão política, da autoridade, da sua composição e dos canais de recrutamento das elites ministeriais durante o fascismo, comparando quatro regimes: Salazarismo, Franquismo, fascismo italiano e Alemanha nazi. Fá-lo-á através da análise do processo de tomada de decisão política e das características das relações entre os ditadores e as suas elites ministeriais. A principal investigação empírica do projecto é composta por dois tipos de dados: uma base de dados sobre a elite política dos quatro regimes, tanto em termos socioprofissionais como no caso de padrões de carreira política; e uma selecção de estudos de caso do processo de decisão política em três áreas (política externa, repressão política, e as relações entre política e instituições estatais). É também objectivo deste projecto trazer um conhecimento mais avançado na área da História Política Comparada às novas gerações de jovens académicos e estudantes. <p> </p>
Rita Almeida de Carvalho
Ana Mónica Fonseca
Nuno Estêvão Ferreira
Goffredo Adinolfi
Filipa Raimundo
José Manuel Castilho
Susana Chalante

ll

Coordenador 
Data Inicio: 
01/09/2007
Data Fim: 
01/09/2010
Duração: 
36 meses
Concluído