Cartografias como metodologia nas ciências sociais contemporâneas

Cartografias como metodologia nas ciências sociais contemporâneas

Local: 
Sala 1
Data: 
Concluída
Horário: 
14:30 - 19:00
Idioma: 
Português, com possibilidade de uso do inglês
Créditos: 
5 ECTS

 

Antropólogos (as) e cientistas sociais têm nos mapas um companheiro, seja para localizar os múltiplos locais de pesquisa, seja para desenhar nos mapas os astros, as narrativas míticas, os lugares vivenciados e territorialidades, formas de poder e fronteira e a vida em movimento. Nos últimos 20 anos, tem se observado a generalização do uso de mapas como recurso-instrumentos-práticas de garantia de direitos territoriais, de gestão de conflitos, ambiental e territorial no contexto dos territórios dos povos e comunidades tradicionais,  e camponeses, bem como de coletivos urbanos e movimentos sociais, o que muitos autores chamam de cartographical turn (“viragem cartográfica”) e territorial turn (“viragem territorial”) em todo o Globo.

Os chamados mapeamentos participativos, etnomapeamentos ou cartografias sociais/afetivas, articulam diferentes práticas de conhecimento, técnicas e métodos, entre diferentes coletivos, e organizações, sendo integrados nas pesquisas de antropólogos, geógrafos e outros cientistas sociais, assim como noutras instâncias e instituições estatais, da sociedade civil e da cooperação internacional, perfazendo o que vamos denominar de “encontros cartográficos”. As reflexões sobre como se articula etnografia com a cartografia merece ser desenvolvida e foco de reflexão para qualquer investigador que desenvolva um trabalho etnográfico. Da passagem dos mapas “como verdade”, para os mapas como construção social, estamos atualmente a pensar num emaranhado de práticas de conhecimento sobre o território e a prática interdisciplinar como forma de simetrizar diferentes formas de conhecimento, entre o científico e o tradicional; entre as ciências naturais e humanas.

Tendo por pano de fundo estas questões, o presente curso tem por objetivo geral tratar dos mapeamentos nas ciências sociais contemporâneas e promover um debate e exercícios práticos sobre o seu uso em pesquisas concretas, nomeadamente sobre terra e territorialidade, em processos de direitos territoriais em múltiplos espaços dos mais rurais aos mais urbanos, dos indígenas aos coloniais e em situações de embate ou conflitos, nomeadamente socioambientais.

Em termos específicos o curso tem como objetivos:

1. Criar um espaço de reflexão teórica, leituras etnográficas e práticas sobre o tema do mapeamento participativo e seus dilemas;

2. Expor os principais conceitos e metodologias dos mapeamentos e cartografias afetivas, como terra, território e territorialidade; direitos territoriais e diversidade; concepções e práticas de mapeamento participativo e uso de geotecnologias.

3. Refletir sobre os usos e relações de poder dos mapas nas práticas interdisciplinares.

4.  Compreender as ferramentas de elaboração de projeto de pesquisa antropológica implicada (ou "engaged") com uso de cartografias.

As aulas serão expositivas e práticas com uso de recursos audiovisuais. Pretende-se que os/as participantes sejam apresentados às ferramentas envolvidas na produção dos mapas através do estudo, discussão de conceitos e exercícios práticos utilizando-se de geotecnologias. Neste sentido, através de exemplos e práticas de construção de mapas com os softwares e plataformas digitais mais comumente utilizadas em diversos contextos junto aos povos indígenas e comunidades locais, pretende-se refletir sobre suas potencialidades, implicações, limitações e alguns dos seus pressupostos frequentemente invisibilizados e, portanto, naturalizados.

 

Destinatários

Alunos de antropologia, geografia, ambiente, sociologia, estudos brasileiros e áreas afins.

Alunos de cursos de mestrado ou doutoramento.

Profissionais ligados às áreas da cultura, dos direitos humanos e territoriais; profissionais que atuam junto de minorias (étnicas, raciais, género e migrantes).

 

Thiago Mota Cardoso (Universidade Federal da Bahia, Brasil)

Susana de Matos Viegas (ICS-Ulisboa)

Gilberto Azanha (CTI/ICS-Ulisboa) 

 

Introdução (2 horas)

Docentes: Thiago Mota Cardoso e Susana Viegas

Conteúdo: Antropologia e mapas, objetivos do curso e introdução ao tema; apresentação dos participantes e exercício prático.

Módulo 1 (6 horas)

Tema: Estudos antropológicos sobre terra, território e territorialidades

Docentes: Thiago Mota Cardoso e Susana Viegas

Conteúdo: Contribuição da antropologia para o conhecimento sobre as concepções de terra, territórios e territorialidades, cosmologias e cosmografias, direitos territoriais e movimentos sociais de povos e comunidades em diversos contextos etnográficos (Aula-Conferência de Maria Inês Ladeira, “Terra e Territorialidade Guarani, Brasil”).

Módulo 2 (12 horas)

Tema: Antropologia e cartografia: imersão nas “viragens cartográficas”

Docentes: Thiago Mota Cardoso, Susana Viegas e Gilberto Azanha (CTI/ICS-ULisboa – a convidar)

Conteúdos: Mapas, (etno) mapeamentos e cartografias sociais, novas linguagens da “viragem territorial” e “cartográfica” numa perspetiva latino-americana;  uso dos mapas em diversas sociedades; mapa como forma de poder colonial e pós-colonial;  mapa como ferramenta para compreensão de “outras territorialidades”; situações etnocartográficas: observação e análise de algumas práticas de mapeamento em territórios de povos e comunidades; Um panorama crítico sobre o uso de geotecnologias no mapeamento participativo. (Aula-Conferência de Gilberto Azanha, “Mapas, luta territorial e gestão territorial Indígena no Brasil”).

Módulo 3 (10 horas)

Tema: Práticas etnocartográficas

Docentes: Thiago Mota Cardoso

Conteúdos: Introdução aos métodos de mapeamento e elaboração de mapas no trabalho antropológico; o uso de geotecnologias (desenho, GPS, imagens de satélite, storytelling e audiovisual) e modos de análise e comunicação (softwares, plataformas colaborativas, WebGIS, Google Maps, OpenStreetMaps, Syorytelling maps, Ontological Databasing); participação e conhecimentos na prática etnocartográfica; elaboração de projeto etnográfico e cartográfico e exercicio prático.

27 de Maio a 3 de Junho 2019 | Aulas todos os dias das 14.30 às 16.30 e das 17h. às 19.30h de 27 a 31. Dia 3 de Junho módulo prático das 10h às 13h e das 14h às 19h

Requisitos

Ser detentora uma licenciatura em qualquer disciplina das ciências sociais ou afins, incluindo jornalismo, serviço social, comunicação social, museologia.

Inscrições

Propinas:

140€

Pagamento no ato da inscrição: 30€ (deduzido da propina)
A Comunidade ICS-ULisboa: 50% de desconto no valor total das propinas

O valor pago no ato da inscrição não é reembolsável.

A Escola só se realizará caso seja atingido o quorum necessário para o efeito.

Coordenador 
Coordenador Externo 
Thiago Mota Cardoso
Universidade Federal da Bahia