"Ser Nhande’i va’e, desde a concepção aos primeiros passos: uma abordagem etnográfica das condutas, sentimentos e significados que cercam o nascimento"

Seminários GI
Sex . 14 Fev . 13h30 a 14h50
Sala Polivalente - ICS ULisboa
"Ser Nhande’i va’e, desde a concepção aos primeiros passos: uma abordagem etnográfica das condutas, sentimentos e significados que cercam o nascimento"
Maria Inês Ladeira, Investigadora Visitante do ICS-ULisboa
Instituição: 
Centro de Trabalho Indigenista - Brasil

Resumo: 

"O tema do nascimento e o que este acontecimento envolve em termos de cuidados e resguardos é abordado com frequência na literatura sobre a infância e ritos de passagem em diversas sociedades indígenas. O nascimento é um entre outros momentos na existência (-iko), mas, entre os Guarani, se distingue por ser um marcador espaço-temporal dos lugares socialmente habitados, ou seja, ação de territorialização. Determinadas condutas pré e pós-parto, embora muitas vezes suprimidas ou adaptadas em razão das condições socioambientais em constante modificação, de alianças interétnicas e de novas perspectivas de futuro, são essenciais para os Guarani situarem-se na Terra (Yvy), isto é, se socializarem entre os próprios Nhande’i va’e, assim como entre as demais espécies (Ka’aguy régua). Esta apresentação, embasada em apontamentos bibliográficos e etnográficos, coletados em aldeias Guarani situadas nas regiões Sul e Sudeste do Brasil, propõe uma reflexão sobre práticas e cuidados voltados ao bem-estar e ao “crescimento” da criança; trata-se basicamente do evento da vinda de quem tem seu lugar no seio dos Nhandei’va’e (quem é um de nós), desde o prenúncio da sua concepção até o início de seu caminhar, de seus primeiros passos."

Nota biográfica: Maria Inês Ladeira é doutorada em Geografia Humana pela FFLCH da Universidade de São Paulo (2001) e mestre em Antropologia Social pela Pontifícia Universidade Católica da São Paulo (1992). A dissertação de mestrado, intitulada O caminhar sob a Luz – território Mbya à beira do oceano, foi publicada pela Editora da Universidade Estadual Paulista (Edunesp) e Fapesp, em 2007. A tese de doutoramento,  Espaço Geográfico Guarani-mbya: significado, constituição e uso, foi publicada em 2008 pela Editora da Universidade de São Paulo (Edusp) e Editora da Universidade Estadual de Maringá (Eduem). Publicou uma série de artigos relacionados aos Guarani. É sócia fundadora do Centro de Trabalho Indigenista (CTI), criado em 1979, por meio do qual realizou e coordenou projetos com comunidades Guarani em várias regiões do Brasil. Como consultora da Funai, coordenou grupos técnicos de identificação e delimitação de Terras Indígenas. No campo da etnologia os interesses de pesquisa envolvem os temas: cosmologia, territorialidade, “modo de ser”, parentesco, socialidade, memória, arte, comunicação e permuta.