Ciências Sociais Cruzadas entre Portugal e o Brasil

Ciências Sociais Cruzadas entre Portugal e o Brasil
Trajetos e Investigações no ICS
ISBN: 
978-972-671-355-5
Idioma: 
Português
Data de publicação: 
2015/Sep
Dimensão: 
23x15
Nº Páginas: 
404
Coleção: 
Colecção Geral
Formato: 
Capa Mole
25,00 €22,50 €

Este livro agrega artigos resultantes das comunicações apresentadas no simpósio «Ciências Sociais Cruzadas», organizado pelo Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa em 2013, no âmbito das comemorações do ano Brasil-Portugal. Centrado no diálogo entre trabalhos dos investigadores do ICS e de autores brasileiros, visitantes no ICS ao longo de duas décadas, os 21 capítulos do livro refletem os múltiplos cruzamentos entre ciências sociais em Portugal e no Brasil. Ao longo das 5 secções do livro reencontram-se não só as diferentes áreas de pesquisa existentes no ICS – da ciência política à história, da antropologia à sociologia, da geografia à psicologia social – mas sobretudo a diversidade de temas através dos quais se tem tecido a reflexão nas ciências sociais dos dois lados do Atlântico. É através desse diálogo que ganham destaque temas como a governança territorial, as políticas externas, as cidades, o espaço e a memória, os trajetos transatlânticos da religião e da cultura, as desigualdades e a exclusão, a história do Estado ou os projetos educacionais. Este é, assim, um livro sobre encontros e trajetos: os da investigação e dos seus autores, que cruzam espacialidades, referências intelectuais e formas de interpretação da realidade social articulada em língua portuguesa.

 

Os autores p.13
Notas de abertura
José Luís Cardoso
p.21
Apresentação
Isabel Corrêa da Silva, Simone Frangella, Sofia Aboim, Susana de Matos Viegas
p.23
Parte I - Território e governança  
Capítulo 1 - Sustentabilidade, transparência e recursos hídricos em Portugal e no Brasil
João Guerra, José Gomes Ferreira, Vanessa Empinotti, Luísa Schmidt, Pedro Roberto Jacobi
p.33
Capítulo 2 - Práticas de governança territorial e seus desafios
Valdir Roque Dallabrida
p.55
Capítulo 3 - Brasil, potência normativa do Sul global ou gatekeeper regional? Normas e intervenção militar da R2P à RwP (difusão, contestação e identidade)
Bruno Cardoso Reis
p.75
Parte II -  Cidades, espaço e memória   
Capítulo 4 - Percursos de uma investigação sobre um «bandido-herói»
César Bandeira
p.105
Capítulo 5 - Graffiti, escritos urbanos entre a cidade material e digital: o que anda a dizer Lisboa?
Glória Diógenes
p.119
Capítulo 6 - Bairros emblemáticos e espaço patrimonial urbano
Irlys Barreira
p.133
Capítulo 7 - Andar pelo meio do mundo e assentar: dinâmicas familiares no Assentamento Arupena (Pernambuco)
Ana Luísa Micaelo 
p.147
Parte III - Trajetos transatlânticos  
Capítulo 8 - A sacralização da vida conventual de mulheres na Ásia portuguesa no limiar do século XVIII e a escrita da história 
Margareth de Almeida Gonçalves 
p.165
Capítulo 9 - A cultura do samba brasileiro em Paris 
Pedro Rodolpho Jungers Abib
p.181
Capítulo 10 - «Plínio Salazar»? O corporativismo português e a democracia cristã como elementos de inspiração
Leandro Pereira Gonçalves
p.193
Capítulo 11 - Cruzar saberes sobre o ensino superior - aproximações decorrentes e um projeto-convénio Capes/FCT
Maria Manuel Vieira e Carlos Benedito Martins
p.215
Parte IV - Desigualdade e exclusão  
Capítulo 12 - Imigração brasileira em Portugal: prostituição e estereótipos
Rafael de Almeida Serra Dias
p.233
Capítulo 13 - As boas mães brasileiras em Portugal: (re)formulando pertenças, (re)construindo identidades 
Gleiciani Fernandes
p.249
Capítulo 14 - O fetiche dos dados estatísticos oficiais sobre a exploração do trabalho infanto-juvenil: como tratar crianças como meras cifras?
Maurício Roberto da Silva
p.267
Capítulo 15 - Territórios íntimos das identidades juvenis na privação de liberdade
Nilda Stecanela
p.285
Parte V - Sociedade e religiosidade   
Capítulo 16 - A Primeira República portuguesa e a questão religiosa: porque não uma separação à brasileira? 
Isabel Corrêa da Silva
p.303
Capítulo 17 - Os intelectuais católicos e a formação do culto a Nossa Senhora de Fátima em Portugal e no Brasil (1917-1935)
Carlos André Silva de Moura
p.317
Capítulo 18 - Questões raciais? Questões étnico-religiosas? A limpeza de sangue e a exclusão social (Portugal e conquistas) nos séculos XVI a XVIII
Fernanda Olival
p.339
Capítulo 19 - Igreja Universal do Reino de Deus em Luanda
Claudia Wolff Swatowiski
p.361
Capítulo 20 - Orixás em trânsito. O candomblé em Portugal
Joana Bahia
p.375
Capítulo 21 - Jurema encantada: do Nordeste do Brasil a Portugal
Ismael Pordeus Jr.
p.391

 

Isabel Corrêa da Silva, investigadora de pós-doutoramento da Fundação para a Ciência e Tecnologia no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. Colabora, desde 2008, com o grupo de Estudos Políticos e Relações Internacionais do Centro de História da Cultura, Universidade Nova de Lisboa, é membro, desde 2011, do grupo de estudos Relações Portugal-Brasil do Instituto de Defesa Nacional e membro fundador do Observatório Político (2010). Foi investigadora do Museu da Presidência da República e bolseira da Fundação para a Ciência e Tecnologia, da Fundação Calouste Gulbenkian e da Fundação Oriente. Atualmente os seus interesses de investigação concentram-se no estudo das fontes para história política e cultural do século XIX, no estudo das representações do poder e na cultura política das monarquias constitucionais oitocentistas na Europa e no Brasil. 

Simone Frangellaé investigadora no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. Trabalhou por muito tempo sobre temas relacionados com o espaço urbano, corporalidade, percursos itinerantes e a construção de sociabilidades, tendo a rua como espaço central de investigação nas suas teses de mestrado e doutoramento. Atualmente dedica-se a questões relacionadas com as mobilidades transnacionais, particularmente os fenómenos migratórios e suas dinâmicas sociais e simbólicas, tendo como recorte empírico a migração brasileira. Neste enfoque, alguns aspectos são privilegiados: as relações de género e familiares, os discursos sobre identidade nacional e sobre pertenças territoriais, relações geracionais, e produção cultural.

Sofia Aboim, socióloga,  tem trabalhado desde 1997 no ICS, onde actualmente é Investigadora Auxiliar. É também  membro do GEXcel − International Collegium for Advanced Transdisciplinary Gender Studies, sediado nas Universidades de Linköping, Karlstad e Örebro na Suécia. Tem vindo a trabalhar sobre vários temas, destacando-se por um lado a família, as gerações e o curso de vida, e, por outro, o género e a sexualidade, as masculinidades e as feminilidades, bem como os processos de discriminação social, as migrações e as sociedades pós-coloniais. Entre os seus interesses teóricos incluem-se ainda a teoria crítica, a modernidade ou o pós-colonialismo.

Susana de Matos Viegas é antropóloga, Investigadora no Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. Fez o doutoramento (2003) em Antropologia na Universidade de Coimbra onde foi docente entre 1989 e 2006. Tem como interesses de pesquisa os estudos ameríndios (principalmente Tupi), pessoa, parentesco e género, experiência vivida e suas historicidades. Desde 2012 desenvolve também pesquisa entre os Fataluku em Timor-Leste, sobre reconfigurações e coabitações, espaço, territorialidades e historicidades, os Mártires e a relação com os antepassados a partir de trabalho de campo realizado na região de Lautém.

Recensão de Wilson Trajano Filho na Revista Análise Social, 220,LI (3.º), pp. 737-740.